Explicando o último “apagão da internet” | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Explicando o último “apagão da internet” | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Internet | Explicando o último “apagão da internet”

Explicando o último “apagão da internet”

Compartilhe

Tem muita gente comentando por aí sobre o tal “apagão da internet”, algo que já vivemos no passado com maior ou menor intensidade. Porém, dessa vez, ele não tem o mesmo efeito que um meteoro caindo na Terra e acabando com tudo o que se vê pela frente.

Na verdade, esse apagão nem mesmo se materializou de forma generalizada, mas sim em um cenário muito específico. Por isso, é importante deixar de lado esse sensacionalismo que se estabeleceu em parte da internet e jogar um pouco de luz sobre o assunto.

 

 

 

O que realmente aconteceu?

Primeiro, é importante deixar bem claro o que NÃO aconteceu.

A internet não saiu do ar (e o fato de você conseguir ler este post neste exato momento é uma prova disso), e o mundo não caiu em escuridão e trevas por ninguém poder poder stalkear aquela pessoa que gostamos ou fazer bullying com aquele presidente que odiamos.

Na verdade, o que realmente aconteceu é que um grupo específico de dispositivos e softwares será afetado por esse tal “apagão da internet”. E, mesmo assim, estamos falando de produtos que estão ou na beira de sua morte comercial, ou que já estão mortos há muito tempo, pois não recebem atualizações por parte dos seus fabricantes.

O problema preocupa pelo fato que em vários países do planeta (incluindo o Brasil que, como todo mundo sabe, não é um dos países mais prósperos para a compra de um smartphone novo) os usuários ainda contam com dispositivos com cinco anos de vida ou mais.

E as pessoas não fazem isso pela moda retrô, pelo saudosismo ou pelo conservadorismo. O fazem porque é realmente muito difícil comprar um produto novo de tecnologia no Brasil, e muita gente prefere comer todos os dias do que ficar pagando um smartphone novo no boleto das Casas Bahia.

Por isso, é importante compartilhar a lista dos dispositivos que foram afetados pelo “apagão da internet”.

 

 

 

Dispositivos afetados pelo “apagão da internet”

  • Dispositivos com Android Gingerbread 2.3.6 ou anterior.
  • Dispositivos com iOS 9 ou anterior.
  • Dispositivos com Blackberry OS versão 10.3.2 ou anterior.
  • Computadores com Windows XP Service Pack 2 ou anterior.
  • Computadores com MacOS 10.12.0 ou anterior.
  • Consoles PlayStation 3 com firmware 5.0 ou anterior.
  • Consoles Nintendo 3DS.

Ou seja, a grande maioria dos dispositivos da lista estão tecnicamente mortos, e os proprietários terão duas alternativas na vida:

  1. Ou atualizam os softwares desses dispositivos (se é que eles contam com atualizações pendentes);
  2. Ou os proprietários começam a procurar outro dispositivo com um software atualizado para chamar de seu.

 

Para quem pretendia atualizar o dispositivo a partir da internet pode esquecer, já que seus atuais certificados de acesso online podem expirar e, por conta disso, eles deixam de acessar a internet sem eles.

O tal apagão aconteceu porque todos os sistemas operacionais presentes na lista tiveram o seu certificado raiz do Let’s Encrypt expirado, pois o mesmo deixou de ser considerado válido. Esse certificado em questão é o IdentTrust DST Root CA X3.

Ou seja, se você está acessando este post por um computador porque o seu antigo celular Android parou de abrir as páginas da internet “do nada”, é sinal que o seu dispositivo foi afetado pelo apagão mais recente. Você pode até tentar fazer uma atualização offline desse dispositivo, o que nem sempre é uma tarefa simples de se fazer. Mas saiba que conectar na internet para você a partir de agora passa a ser uma missão indigesta.

O smartphone em si vai seguir funcionando normalmente, exceto pelo fato de não mais poder se conectar com a internet. O que é algo bem irritante, com certeza. Mas ao menos o seu telefone vai se manter ativo, o que já é alguma coisa.

 

 

Via Let’s Encrypt


Compartilhe