O YouTube está mudando a sua estratégia na tentativa de se aproximar mais da Netflix ou Amazon, onde o lançamento do YouTube Premium seria a opção de mostrar conteúdo exclusivo via YouTube Originals, em troca de uma assinatura mensal. Parece que a empresa percebeu que isso não funcionou como esperado, uma vez que nos próximos meses eles vão colocar todas as suas produções originais à disposição de qualquer pessoa, com ou sem assinatura.

Além disso, o YouTube vai reduzir a produção de conteúdo original, já que a empresa teria percebido que é mais lucrativo produzir programas especiais e programas, muitos deles focados em personalidades ou em seus próprios youtubers.

 

 

O YouTube percebeu que não precisa ser como a Netflix

Após o lançamento do YouTube Red em 2015, a empresa buscava, por meio de assinatura, uma plataforma capaz de hospedar todos os tipos de conteúdo, deixando a parte gratuita para qualquer um, enquanto aqueles que quisessem pagar uma taxa mensal teriam acesso exclusivo e maior qualidade.

Em 2018 veio a expansão deste serviço para 29 países, agora com o nome YouTube Premium, com mais de 50 produções sob o rótulo de ‘YouTube Originals’, onde nas produções originais seriam incluídos os programas especiais.

Em 2019, o YouTube informa que essa mudança de estratégia os levou a repensar o formato. Assim, nos próximos meses, todo o conteúdo original do YouTube estará disponível para todos, tanto as produções atuais quanto as que virão depois. A diferença aqui é que os inscritos no YouTube Premium verão o conteúdo sem anúncios, como tem sido até agora, enquanto que os demais mortais verá com anúncios.

Para mim, está tudo bem. Eu suporto os comerciais, já que eles pagam a minha conta.

O YouTube não vai abandonar a assinatura do YouTube Premium, já que a ideia é continuar oferecendo conteúdo exclusivo, mas seus assinantes passam a ter acesso a versões estendidas de filmes ou séries, ou podem ver uma nova produção uma semana antes dos demais. Aqui, a empresa ainda está pensando nos detalhes, mas está claro que o foco não está mais nas assinaturas.

Com essa mudança, o YouTube Premium será mais uma opção sem os anúncios do YouTube, já que grande parte do conteúdo estará disponível para todos. Por outro lado, também estamos enfrentando uma jogada inteligente da Google, já que agora você pode vender espaços de anunciantes, provavelmente mais caros, dentro de suas produções do YouTube Originals.

 

 

Deixe os youtubers fazerem mais conteúdo

Entre todas essas mudanças, Susanne Daniels, ex-produtora da MTV e agora responsável pelo YouTube Originals, começou a informar os seus parceiros criativos e casas de produção “uma redução significativa no orçamento”, mas não menciona o fim das produções originais.

Tudo isso levaria a uma diminuição da produção com roteiros mais elaborados para se concentrar em promover projetos dos criadores no YouTube ou youtubers, o que representa uma redução de custos e maior rentabilidade a curto prazo para a empresa.

Até o momento, o Google não divulgou seu número de assinantes ao YouTube Premium nem sabe quanto investiu em produções originais, apenas que o orçamento do YouTube Originals é de “centenas de milhões por ano”. Diante disso, o YouTube quer ver o seu site como uma plataforma independente na Internet, que não tem de competir com a Netflix ou a Amazon, e muito menos tentar imitá-los.

Veremos com o tempo como esse novo movimento funciona.

 

Via The Wrap