Compartilhe

É difícil saber se é possível sentir empatia por um robô. Mas a resposta pode ser SIM, especialmente se esse robô se parece com um animal. E o experimento que você verá a seguir pode emocionar você justamente pelo fato do robô se parecer com um animal.

O último experimento do Instituto de Tecnologia de Zurique (ETH) é um ótimo exemplo sobre como é possível criar empatia com um robô. O sistema de machine learning dessas máquinas evoluiu muito, e pode ter várias aplicações no mundo da robótica. A Inteligência Artificial pode ser treinada para se mover o mais depressa possível, e resistir a qualquer inconveniente que encontrar no caminho.

Com um sistema semelhante, um robô poderá avançar sempre na velocidade máxima possível por um terreno perigoso ou complicado, inclusive recebendo golpes ou perdendo o equilíbrio. Tudo isso parece muito bem na teoria, mas na prática isso pode resultar em um teste onde o robô cachorro vai sofrer com várias patadas e chutes.

O vídeo publicado pelos pesquisadores reflete as fortalezas do sistema. O robô de quatro patas nunca perde o equilíbrio nem cai, apesar do abuso constante. Os seus criadores afirmam que isso permite que o robô ande em condições difíceis, desde bosques ou edifícios destruídos ou até áreas com neve, onde os robôs sempre chegarão ao seu destino.

Logo, os cachorros robóticos terão um grande futuro nas tarefas de resgate, onde chegar nas vítimas é o principal desafio. Eles podem transportar materiais de medicina ou tecnologia de localização para encontrar pessoas em locais de perigo.

Em situações menos sérias e complexas, tais robôs em forma de cachorro podem ser úteis na hora de entregar encomendas ou compras realizadas em sites online.

O sistema funciona na base da tentativa e erro, analisando as possíveis reações diante de um imprevisto, chegando a melhor conclusão possível a cada momento para completar a tarefa de seguir caminhando, apesar das adversidades.

Tal e como deveria acontecer com os seres humanos.

 

 


Compartilhe