Compartilhe

Hoje, 20 de julho de 2019, completa 50 anos da chegada do homem à Lua. O feito é uma das maiores conquistas tecnológicas da história, e um evento sem precedentes. E é curioso ver como chegamos a essa data com o governo dos Estados Unidos se manifestando em voltar a explorar o satélite natural, e a China já enviando veículos robóticos para a exploração do solo lunar.

Ou seja, a Lua será tema para os próximos anos.

Logo, é normal ver nessa semana tantas matérias jornalísticas e documentários sobre o evento. Mas talvez o melhor material divulgado até agora foi o do canal The Weather Channel que, mesmo dedicado à meteorologia e previsão do tempo, produziu um conteúdo que surpreende, já que usou a realidade aumentada para representar os efeitos das mudanças climáticas no satélite natural no dia da chegada de Armstrong e Aldrin.

 

 

A chegada à Lua em realidade aumentada

 

 

O efeito do vídeo é algo surpreendente. O The Weather Channel chama o recurso de IMR (Immersive Mixed Reality, ou Realidade Mista Imersiva), e é basicamente a evolução da exibição de imagens com a ajuda do chroma key, ou tela verde. O conceito geral é o mesmo: o apresentador é inserido na cena projetada no fundo. A principal diferença do IMR é que a cena está renderizada em três dimensões.

Com isso, o diretor pode exibir a imagem em diferentes ângulos, movendo a câmera de forma que a imagem exibida começa próxima do apresentador, para a câmera se distanciar para mostrar mais da cena de fundo, ou para inserir um gráfico com informações relacionadas ao conteúdo exibido.

É uma forma diferente de fazer reportagens, onde o apresentador é colocado no local da ação sem precisar se deslocar até lá. Ou, nesse caso, na Lua. Só podemos imaginar como o recurso vai melhorar com o passar do tempo e a sua popularização, e como as agências de notícias vai utilizar a ferramenta para as suas reportagens.

 


Compartilhe