testosterona

Professores da Universidade de Nagasaki (Japão) concluíram em um estudo que homens com altos níveis de testosterona tendem a evitar músicas mais sofisticadas, como jazz e música clássica.

O estudo foi testado em um grupo de jovens, onde os especialistas mediram a concentração de testosterona na saliva e sua preferência musical em cinco estilos diferentes.

Os pesquisadores detectaram que aqueles com alta concentração de testosterona tinham baixa preferência por música clássica e jazz. Logo, existe a possibilidade que a função neuroendocrinológica possa exercer influência sobre os padrões de preferência musical.

Antes de você fazer piada com amigos que escutam música clássica, um detalhe. O estudo foi realizado com um universo muito pequeno de pessoas (37 homens e 39 mulheres), e os participantes escutaram pequenos trechos de 25 músicas com 15 segundos de duração cada, onde eles tiveram que classificar como ‘eu gosto muito’ a ‘não gosto nada’.

Nos dois casos, eles analisaram mostras de saliva, e tais resultados mais peculiares aconteceram com os homens. A testosterona impulsiona as pessoas a buscarem o domínio, o que faz sentido que os participantes optem por músicas mais pesadas.

Quem sabe o estudo ofereça resultados mais precisos com um universo mais amplo de pessoas, com múltiplas idades e diferentes grupos étnicos. Analisar 37 jovens japoneses não entrega um resultado tão confiável.

Alguns indicam que o gosto por músicas mais sofisticadas se adquire com o passar do tempo, o que reforça a validade de uma análise com um grupo de adultos em idade avançada.

 

Via Science Direct