Compartilhe

Eu confesso que consigo trocar de smartphone todos os anos porque eu trabalho com tecnologia. Recebo dispositivos de vários fabricantes, e alguns deles acabam ficando comigo. Mas se não fosse isso, eu teria ficado com um smartphone só por pelo menos dois anos.

Eu acredito que a maioria dos geeks podem considerar como uma boa média de tempo de uso de um único smartphone a marca de dois anos, pelo menos. Três anos já começa a ser uma prazo que se encaixa mais na exceção e não na regra.

Agora… quatro anos com o mesmo dispositivo? É uma raridade. Mas é possível. E eu não estou falando apenas do iPhone. Tem ótimos smartphones Android do passado que ainda rendem muito bem em 2019.

 

 

O iPhone é a prova da longevidade válida

É impossível falar nesse assunto sem citar o iPhone. A Apple faz um excelente trabalho na otimização do iOS, e no trabalho em deixar o software compatível com as versões antigas do smartphone, fazendo com que os modelos mais antigos permaneçam com a vida últi pelo maior tempo possível.

Para muita gente, o iPhone 5S, lançado em 2013, ainda é bem útil. E ficou ainda mais funcional com a chegada do iOS 12, que deixou o dispositivo mais fluído e funcional. E boa parte dos usuários com necessidades mais básicas ficam com esse modelo até mesmo para manter o status de ter um iPhone.

 

 

Mas também é possível viver bem com o Android mais velhinho

Mas se você pensa que apenas os felizes proprietários do iPhone podem manter os seus smartphones com vida útil por quatro anos está enganado. Apesar do ciclo de vida médio de atualizações de smartphones Android se encerrar em apenas dois anos após o lançamento do modelo, alguns produtos continuam e entregar um desempenho bem aceitável.

Eu conheço alguns casos emblemáticos. O Moto G de primeira geração é um deles. Eu desconfio que muitos donos desse smartphone vão morrer com ele. O mesmo se aplica ao Moto G2 e Moto G3. Na LG, o LG G4 ainda é muito bem visto por muita gente. E na Samsing, modelos como o Galaxy S7 Edge e o Galaxy S8 ainda funcionam muito bem.

Na prática, para a maioria dos usuários que possuem as necessidades mais básicas com um dispositivo móvel podem se virar muito bem com o seu smartphone por quatro anos. Quem não precisa do mais novo na tecnologia do setor pode ficar mais tempo com o seu dispositivo. A não ser que você seja um early adopter. Aí é o caso de você simplesmente colocar a mão no bolso e investir em um smartphone novo ano após ano.


Compartilhe