Samsung Galaxy Z Flip tem tela que é menos resistente do que o esperado

Compartilhe

O Samsung Galaxy Z Flip já é uma realidade, e se mostra relativamente competitivo custando “apenas” US$ 1.380 e contando com características de smartphone top de linha. Porém, era preciso comprovar se o dispositivo é mais resistente aos arranhões e quedas.

Pois bem, Zack Nelson, o dono do canal do YouTube JerryRigEverything fez esse teste. Uma das principais novidades do Samsung Galaxy Z Flip em relação ao Galaxy Fold é a utilização de um cristal ultrafino (UTG) para o revestimento da tela, o que em teoria entrega uma maior resistência diante dos arranhões e riscos.

 

 

 

Será que o UTG é tão resistente assim?

 

De acordo com os testes do Zack Nelson, o UTG não aporta toda a resistência esperada,pois no nível 4 de riscos ele chegou a atravessar a capa superior da tela do Samsung Galaxy Z Flip. Por outro lado, os arranhões nos testes 5 e 6 mostram que a parte superior do protetor de tela não é composto por nenhum tipo de vidro.

Diante das suspeitas que o protetor de tela não era de cristal ultrafino puro, a Samsung afirma que existe uma capa de proteção de plástico na parte superior, similar a do Galaxy Fold, que deve ser manuseada com cuidado. Os proprietários do Samsung Galaxy Z Flip vão receber gratuitamente um protetor de tela especial nas lojas selecionadas.

 

 

Por outro lado, o canal do YouTube PBKreviews perfurou a tela para ver se realmente havia um cristal ultrafino abaixo da capa protetora de plástico, algo que foi confirmado. O youtuber conseguiu descolar o painel da tela do gabinete durante o processo de dobra. Se bem que isso não deixa claro qual é o tipo de material adotado pela Samsung no dispositivo, mas deixa em evidência que é algum tipo de vidro.

No final das contas, parece que nem mesmo a Samsung, que venceu o duelo contra o Motorola Razr no teste de resistência, conseguiu cumprir todas as expectativas criadas sobre a durabilidade da tela do Samsung Galaxy Z Flip ao adotar uma capa protetora de plástico.

Por outro lado, a utilização do UTG possivelmente abriu a porta para que tal tecnologia melhore nos próximos anos, a ponto de ser capaz de oferecer no futuro uma resistência que seja ao menos próxima a do vidro adotado nos smartphones tradicionais atuais.

De qualquer forma, aqui vale a mesma dica sugerida para os compradores em potencial do Motorola Razr: ainda é uma tecnologia que está em pleno amadurecimento, ou seja, pense umas dez vezes antes de investir o seu dinheiro no Samsung Galaxy Z Flip.

 


Compartilhe