Crise na Razer!

E estamos falando de uma marca que é referência no mercado gaming. Ou seja, não está fácil para ninguém. E, de fato, não é fácil entrar no mercado de smartphones, mesmo se for no segmento de telefones voltados para o mundo dos games.

O Razer Phone e o Razer Phone 2 chamaram a atenção na época dos seus respectivos lançamentos. Eram propostas bem resolvidas, smartphones potentes, com design irreverente… mas tudo indica que os telefones floparam, já que a Razer fez cortes recentes na sua equipe de funcionários, mas especificamente no departamento mobile. E isso pode indicar que o Razer Phone 3 jamais vai ver a luz do mercado.

Aproximadamente 2% dos funcionários desse setor receberam a rescisão de contrato, e vários projetos foram encerrados. Tudo isso é parte da reestruturação que a Razer está promovendo na empresa, que não confirma ou desmente os fatos.

Outros sinais apontam para o fim do projeto Razer Phone. Como já foi dito nesse post, a maioria do departamento mobile foi demitida. E a lógica aponta que um lançamento de um smartphone da marca é algo improvável.

Além disso, algumas fontes indicam que a redução no time de funcionários se explica pelos altos custos de produção dos smartphones da Razer. Mesmo que os dispositivos recebessem algum sucesso, parece que não foi um sucesso grande o suficiente para motivar a marca a continuar investindo no segmento.

 

 

Para reforçar essa teoria de fim do Razer Phone 3, a Razer Game Store, loja de jogos e aplicativos da marca, chega ao fim no dia 28 de fevereiro. Ou seja, nem precisa ser um Sherlock Holmes para entender que a empresa está em uma fase de downsizing, com o objetivo de reduzir os seus custos para focar esforços naquele que é o seu modelo de negócio principal: os periféricos.

 

 

O mais irônico de tudo isso é que estamos em um momento onde as marcas estão investindo nos smartphones gaming. Xiaomi, Oppo, Vivo, ASUS e até a Samsung são apenas algumas das marcas envolvidas. E o maior nome do mercado de periféricos gaming não conseguiu vingar nesse segmento.

Tudo isso só mostra como o mercado de smartphones é extremamente agressivo. Até mesmo para uma marca de renome como a Razer. Conseguir um espaço consistente nesse segmento é algo muito mais complexo do que simplesmente oferecer um produto com a sua marca no mercado.

 

Via Android Headlines, BGR