Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Dicas, Truques e Macetes | Por que você não deve usar o iPhone para gravar seus passeios de moto?

Por que você não deve usar o iPhone para gravar seus passeios de moto?

Compartilhe

O site de suporte da Apple alerta que as vibrações geradas pelas motos podem danificar a câmera do iPhone. A empresa explica tecnicamente o que pode acontecer, e como a qualidade final das fotos e vídeos do smartphone pode cair em função disso.

Em um mundo perfeito, se todo mundo usasse a lógica, esse tipo de explicação seria algo completamente desnecessário. Até porque existe um sentido para a existência das câmeras de ação. Mesmo assim, cabe explicar ao público mais leigo por que é preciso pensar a sério neste aspecto.

E a “culpa” aqui está na presença do estabilizador ótico de imagem nas câmeras do iPhone, que é bem sensível às vibrações mais fortes. Ou seja, se você e sua moto passam constantemente em estradas acidentadas na maior velocidade possível, leia este post com atenção.

 

 

 

Faça escolhas sábias na sua vida (com um iPhone)

 

 

A Apple deixa claro no seu site de suporte qual é a origem do problema e quais são os efeitos se a prática for contínua por parte dos proprietários do iPhone que adoram andar de moto por aí (e, eventualmente, gostam de filmar as suas jornadas em alta velocidade).

Primeiro, faz o alerta para os usuários, falando de forma aberta que tal prática não é recomendada pela empresa:

 

“Expor seu iPhone a vibrações de alta amplitude dentro de certas faixas de frequência, especificamente aquelas geradas por motores de motocicleta de alta potência, pode degradar o desempenho do sistema de câmera.”

 

As câmera do iPhone contam com o sistema OIS, ou Estabilização Ótica de Imagem (em livre tradução). Esse sensor, além de estabilizar o conjunto ótico para obter uma foto mais estável, conta também com um giroscópio que pode detectar quando a câmera está se movendo para compensar o movimento da câmera nas mais diferentes situações.

Além disso, o iPhone possui um sistema de foco automático fechado, que reduz os efeitos da gravidade e das vibrações nas mais diferentes situações para manter o foco do registro fotográfico o mais nítido possível.

Tanto o OIS como o AF são muito sensíveis às vibrações. E quando o iPhone está passeando de moto com você, os sensores fotográficos são expostos à uma faixa de elevada frequência de vibração, o que pode danificar a câmera como um todo, afetando no seu funcionamento e, por consequência disso, no resultado final das fotos.

A Apple se aprofunda nas explicações técnicas sobre esse problema, reforçando o seu alerta:

 

“Acoplar seu iPhone a motocicletas com motores de alta potência ou alto volume não é recomendado devido à amplitude de vibração em certas faixas de frequência que eles geram. Conectar seu iPhone a veículos com motores elétricos ou de pequeno volume, como ciclomotores e scooters, pode causar vibrações de amplitude comparativamente mais baixa, mas se isso acontecer, uma montagem de amortecimento de vibração é recomendada para reduzir o risco de danos ao seu iPhone e seus sistemas OIS e AF.”

 

 

 

Conclusão

Saiba muito bem o que fazer nesta vida e, neste caso, o recado foi dado de forma muito clara.

A Apple não recomenda que você, motociclista, prenda o seu iPhone em um suporte para os deslocamentos de moto em alta velocidade e em estradas muito acidentadas, algo que é bem comum para a maioria das pessoas em um país como o Brasil.

A vibração do trajeto pode ser transferida para o iPhone a partir do guidão da moto, danificando o sensor de câmera do smartphone quando o uso é muito prolongado. A mesma regra aqui vale para usuários de motos de menor porte, ciclomotores (scooters elétricas ou mobiletes) e até patinetes elétricos, pois apesar da menor vibração transferida pata o telefone, ela existe e pode danificar os sensores de câmera do mesmo jeito.

Conselho de amigo: investe logo em uma câmera de ação e pronto. Muito mais barato do que ser obrigado a comprar um novo iPhone por um eventual desgaste dos sensores fotográficos com o passar do tempo.

 

 

Via Apple


Compartilhe