Por que o criador do botão de retweet no Twitter se arrependeu de sua criação? | TargetHD.net TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia
Press "Enter" to skip to content

Por que o criador do botão de retweet no Twitter se arrependeu de sua criação?

Compartilhe

Inventar alguma coisa não necessariamente pode ser sinônimo de orgulho para algumas pessoas. Por exemplo, o criador do botão de retweet (ou RT) não está feliz com a sua criação. Chris Wetherell está profundamente arrependido por ter criado o botão de RT, que tanta dor de cabeça deu para tanta gente nas redes sociais.

Isso fica claro com a frase dita por Wetherell, expressando o seu descontentamento: “foi como entregar uma arma carregada para uma criança de 4 anos”.

 

 

O RT visto como uma arma

 

 

Wetherell não tem qualquer tipo de problema em blasfemar sobre o seu invento e as suas consequências. Lembrando que ele é o inventor do BOTÃO DO RT, e não do RT em si.

O retweet foi criado na comunidade de usuários do Twitter nos seus primórdios, e isso era feito manualmente com a indicação ReTweet no começo das mensagens para depois distribuir a mensagem entre os sues seguidores. O primeiro RT publicado dessa forma foi feito em 18 de abril de 2007, por Eric Rice.

 

 

Meses depois, veio a primeira grande evolução dos RTs: a abreviação do termo com um RT. O primeiro a usar este formato foi o @TDavid.

 

 

Mas foi apenas em 2009 que Wetherell desenvolveu o botão que automatiza o processo, e que seria a fonte de polêmica anos depois. Ele dirigiu o time que criou o botão, e o Twitter hoje não é nada sem ele. Uma década depois, e agora sabemos que o seu criador sugeriu o fim do botão.

Wetherell entende que essa ferramenta possui um multiplicador de força que outras funções não contam, e aqui está o seu primeiro erro: uma mensagem irrelevante pode se tornar relevante rapidamente. E na era das fake news e mensagens ofensivas, o RT tem o poder de uma arma.

Some isso ao fato de uma pessoa renegar a informação, compartilhando a mensagem baseada no título. Isso faz com que os outros usuários sejam mais suscetíveis a ignorar o link e compartilhar apenas o título, inclusive quando a informação é falsa.

Wetherell nunca pensou no conteúdo que seria compartilhado, assim como as situações perigosas nas redes sociais. Especialmente aos danos na reputação de uma pessoa. O rápido compartilhamento pode destruir a imagem de alguém rapidamente, e muito mais rápido que a pessoa possa se defender.

 

 

O Twitter pode mudar as coisas

 

 

Jack Dorsey, CEO do Twitter, pensa em formas de mudar isso, onde é possível realizar o RT sem gerar esses problemas. Entre suas considerações, estão o retweet e a menção com retweet.

Mudar isso leva muito tempo, pois são mudanças profundas no Twitter, que implicam no reaprendizado do uso do recurso. Logo, tais mudanças vão demorar a aparecer.

E não é a primeira vez que o Twitter adota mudanças desse tipo: a eliminação do RT para “melhorar a saúde das conversas” é algo considerado. Por enquanto, o RT não morre, mas no futuro… pode acontecer.

Vale lembrar que o WhatsApp sofre do mesmo problema, e limitou o re-envio de mensagens para reduzir a difusão das fake news. E o Instagram eliminou a exibição do número de likes para evitar condicionar os conteúdos aos números, deixando a interação mais espontânea.

Não é loucura pensar em um futuro Twitter sem favoritos ou RTs. Resya saber se a mudança pode resolver esse problema que, em alguns casos, é bem sério.

 

Via BuzzFeed News


Compartilhe