Como é possível que um rolo de papel higiênico tenha pulsação?

Isso mesmo, não estamos loucos (nem tanto). Uma estranha medição feita pela Xiaomi Mi Band 3 detonou toda uma discussão.

Muitos usuários da rede social chinesa Weibo escreveram surpresos afirmando que a pulseira conseguia detectar ritmo cardíaco em um rolo de papel higiênico. Então, muita gente testou e comprovou que o mito era real.

O rumor chegou aos ouvidos do Abacus News, que também testou o experimento. E descobriram que a Xiaomi Mi Band 3 detectava 81 pulsações por minuto no papel higiênico. E foram além nos testes: mediram a pulsação em uma taça e em uma banana e, aparentemente, os dois estavam ‘vivos’.

E não foi só a Mi Band 3 que fez isso. O Apple Watch Series 4 e o Android Wear Smartwatch também registraram ritmo cardíaco em objetos inertes.

 

 

Por que isso aconteceu?

 

 

Há uma explicação.

É a forma que esse tipo de acessório mede normalmente as pulsações sanguíneas de nosso corpo. Estes dispositivos emitem luz verde para o nosso pulso para realizar a medição. A luz verde interage com a cor do sangue e reflete de novo no sensor do dispositivo.

A interação será diferente de acordo com o bombear do sangue, se for mais rápido ou mais lento. Assim, o sensor determina as pulsações por minuto.

Mas… e no caso de um objeto inanimado?

Ao que parece, a propriedade reflexiva dos objetos pode confundir os sensores desses dispositivos. Mas isso não quer dizer que eles estão com problemas, pois conseguem cumprir com a missão de ler o ritmo cardíaco em um ser humano.

E, sim… eles não foram desenvolvidos para comprovar se flui sangue através do papel higiênico. Logo, não precisa se preocupar com isso.