Por que a Apple empresta iPhones hackeados?

Compartilhe

A Apple é aparentemente obcecada na proteção dos dados dos usuários do iPhone. E eu digo “aparentemente” porque até o presente momento não apareceu nenhum podre envolvendo a gigante de Cupertino e a possível venda desses dados… por enquanto.

A empresa é conhecida por priorizar a privacidade e a segurança dos seus clientes, mas isso não significa que o sistema operacional iOS seja imune a ataques de hackers ou jailbreaks. Pelo contrário: quanto maior a popularidade do iPhone, maiores são os riscos de problemas de segurança acontecerem.

Por isso, a Apple lançou em 2019 um programa que visa colaborar com pesquisadores de segurança para identificar e corrigir vulnerabilidades no iOS. Neste post, vamos explicar como funciona esse programa, quais são os requisitos para participar e quais são os benefícios e limitações dessa iniciativa.

 

O que é o programa de iPhones modificados para pesquisa de segurança?

Essa é uma estratégia da Apple para fortalecer a segurança do iOS, e a forma da empresa reconhecer que o seu sistema operacional é complexo e vulnerável, e que nem todos os problemas podem ser detectados internamente.

E aqui, acaba de uma vez por todas o mito patético que muitos “especialistas em tecnologia” (e entenda uma ironia quando você se deparar com uma) que insistiram em afirmar que o iOS era um sistema perfeito, e que o iPhone era impenetrável.

Esse povo tem que simplesmente calar a boca diante da realidade.

O programa consiste em oferecer iPhones dedicados exclusivamente à pesquisa de segurança, com algumas modificações que permitem aos pesquisadores acessar partes do sistema que normalmente são restritas.

Ou seja, os iPhones desse programa não só são hackeados, mas também foram feitos para serem mais hackeados ainda. Tudo para que os especialistas e mentes avançadas descubram mais vulnerabilidades presentes no iOS.

Mas nenhum iPhone neste estado é presenteado pela Apple. Até porque Tim Cook não faz nada de graça, muito menos caridade. Os dispositivos são emprestados aos participantes por um período de 12 meses, e o empréstimo pode ser renovado mediante solicitação.

 

Quais são as vantagens de usar um iPhone hackeado?

Um iPhone modificado oferece aos pesquisadores uma oportunidade única de analisar o iOS de forma abrangente, podendo explorar áreas como o kernel, os drivers, os serviços e aplicativos.

Esses iPhones também permitem aos pesquisadores executar ferramentas personalizadas e depurar o sistema com mais facilidade. É o dispositivo perfeito para quem quer ir além de tentar descobrir onde a namorada esteve na terça-feira à noite.

Além disso, os participantes do programa podem reportar as vulnerabilidades encontradas diretamente à Apple, recebendo recompensas financeiras conforme o nível de gravidade e impacto dos problemas.

E todo mundo gosta de dinheiro, não é mesmo?

 

Os requisitos para participar do programa

Se você chegou até aqui, é porque está interessado em usar um iPhone que permite ver as entranhas do iOS e, com alguma sorte, ganhar dinheiro em cima da incompetência da Apple. Eu nem preciso ler mentes para concluir isso.

Para participar do programa de iPhones modificados para pesquisa de segurança, é preciso atender a alguns critérios estabelecidos pela Apple. Não são requisitos tão exigentes, mas alguns itens impedem que nós, brasileiros, participemos do programa.

E eu lamento te decepcionar. Mas a vida é assim mesmo. Vai se acostumando, jovem, pois em alguns casos só vai piorar.

Os requisitos são:

  • Ter um histórico comprovado de identificar problemas de segurança em qualquer plataforma, especialmente no iOS. Não vale dizer para a Apple que a bateria do iPhone vive drenando, pois isso é cair no lugar comum.
  • Residir em uma região elegível para o programa. O Brasil é um dos países elegíveis (yay).
  • Ser maior de idade no país de residência. E boa parte da minha audiência vai abandonar esse conteúdo neste ponto.
  • Não ter sido empregado pela Apple nos últimos 12 meses, o que engloba 98% do planeta Terra.

Além disso, é possível se inscrever como indivíduo ou como organização. No caso de organizações, é preciso ter uma autorização legal para agir em nome da entidade e designar um representante responsável pelo contato com a Apple.

 

Como se inscrever

Se você preenche todos os requisitos mencionados um pouco antes (ou ainda assim quer tentar a sorte, pois você é brasileiro e não desiste nunca), pode preencher o formulário online relativo à inscrição do programa de iPhones modificados para pesquisa disponível no site da Apple.

O formulário solicita informações pessoais ou organizacionais, bem como evidências das descobertas anteriores de vulnerabilidades. A Apple analisa as inscrições periodicamente e entra em contato com os candidatos selecionados por e-mail.

Os participantes recebem um iPhone modificado pelo correio, junto com um contrato que estabelece as políticas e obrigações do programa. Leia com atenção os termos desse contrato, assine e devolva o documento, e vincule sua alma com forças desconhecidas.

 

As limitações desse programa

Vou repetir: Tim Cook é capitalista, e não existe almoço grátis neste negócio.

A principal limitação desse programa é sua adesão é um tanto quanto restrita. Ou seja, a Apple não garante que todos os interessados receberão o dispositivo.

A empresa informa que há um número restrito de solicitações aceitas anualmente, dependendo da disponibilidade dos aparelhos e dos recursos internos. Portanto, é preciso ter paciência e esperar pela resposta da Apple após a inscrição.

Ou simplesmente aceitar que você nunca será aceito pela Apple, e seguir com a sua vida medíocre normalmente, como se nada tivesse acontecido. Pois viver na frustração não vale a pena, e pagar um terapeuta nos dias de hoje custa caro.

Outra limitação é que os iPhones modificados não são vendidos nem doados aos participantes, mas sim emprestados por um período determinado. E eu deixei isso bem claro ao longo deste conteúdo.

Isso significa que os pesquisadores devem devolver o dispositivo à Apple quando solicitado ou quando o contrato expirar. Os iPhones modificados não podem ser usados para fins pessoais ou comerciais, mas somente para pesquisa de segurança.

Os participantes também devem seguir as regras de conduta e ética do programa, respeitando a privacidade dos usuários e a propriedade intelectual da Apple.

Nada muito complicado para quem tem códigos morais e éticos minimamente aceitáveis para viver em sociedade. Para algumas pessoas, é mais fácil desistir do programa mesmo.

Enfim, apresentei o programa, suas características e condicionantes. E é por isso que a Apple está emprestando um iPhone hackeado. Para que o seu iPhone não seja hackeado com facilidade.


Compartilhe