Compartilhe

Apesar de nenhum estudo comprovar que a radiação dos smartphones é prejudicial para a nossa saúde, sempre tem aquele grupo de usuários que se preocupam (e muito) com isso. Alguns cientistas condenam essa radiação, enquanto que outros informam que não precisamos nos preocupar com isso. Como ninguém sabe a verdade, fazemos a nossa parte e transmitimos a informação.

Isso até os primeiros sintomas de tais radiações começarem a se manifestar nos humanos. Ou não.

Fato é que a Statista, uma entidade independente, publicou mais uma lista sobre as marcas cujos dispositivos emitem mais radiação, após analisar vários modelos disponíveis no mercado. E esse é o tipo de lista que nenhuma marca quer liderar.

Nesse caso, Xiaomi e OnePlus estão com más notícias, pois são as marcas que lideram esse ranking. Lembrando que, quanto mais alta a pontuação, pior é a situação na emissão de radiação.

 

 

A Xiaomi libera a tabela com o Xiaomi Mi A1, um dos smartphones mais populares da marca, e muito popular aqui no Brasil. Na sequência encontramos o OnePlus 5T, o que não chega a ser uma surpresa, pois a OnePlus sempre ocupou posição “de destaque” nessas listas.

O pódio negativo termina com o Xiaomi Mi Max 3, phablet dos chineses que ficou bem abaixo dos dois primeiros, ficando em uma margem onde a FCC (entidade reguladora dos Estados Unidos, equivalente à Anatel no Brasil) considera o uso seguro.

Lembrando que as especificações técnicas de emissão de radiação exigidas pela Anatel ficam abaixo do que a FCC considera como ideal.

Por fim, em uma lista de 16 dispositivos que mais emitem radiação, temos quatro modelos da Xiaomi, quatro smartphones da OnePlus, dois telefones do Google, dois modelos da HTC, dois da Apple, um da Sony e um da ZTE. Constatar que Samsung e Huawei estão fora dessa lista é algo curioso, para dizer o mínimo.

Não acho que esse gráfico vai influenciar a escolha da maioria dos usuários. Porém, por falta de uma conclusão mais precisa, ao menos os mais receosos estão devidamente informados.

 

Via Statista


Compartilhe