Compartilhe

Muitos usuários Windows mais curiosos estão testando o novo Microsoft Edge baseado no Chromium. E a empresa de Redmond quer deixar claro que está se diferenciando do Google Chrome. Para isso, ela substituiu ou desativou 50 elementos no novo Edge presentes no Chromium original.

Se aproximando do Chromium, mas se distanciando do Google Chrome

Uma imagem vazada de uma apresentação da Microsoft antecipou a “personalização” do novo Edge Chromium para que o mesmo receba uma identidade própria. A imagem mostra a frase “serviços que foram substituídos ou eliminados” do Microsoft Edge baseado no Chromium.

A ideia de separação das duas plataformas e apresentar filosofias diferentes fica muito clara em uma recente declaração de Christian Fortini, conhecido engenheiro de software da Microsoft que está trabalhando no Edge Chromium na empresa:

“Nossos usuários esperam que o Edge apenas se comunique com os serviços da Microsoft”.

 

 

A lista de serviços substituídos ou eliminados é muito variada, e algumas decisões são bem óbvias porque são recursos específicos do Google. Ou seja, funcionalidades como Google Pay, Google Now, Google Cloud Messaging, o bloqueio de anúncios e serviços relacionados como Chrome OS ficam de fora do Microsoft Edge Chromium.

Nos informes, a Microsoft também deixa claro que “construir o Edge no Chromium foi um processo relativamente fluído”, e que realizaram centenas de mudanças nessa tecnologia para produzir a sua própria versão do navegador de internet.

Apesar da versão de testes já estar disponível para o grande público (de forma relativa), a maioria dos internautas terá mesmo que esperar mais um pouco para conhecer mais detalhes sobre os planos da Microsoft e do seu novo navegador Edge.

Por enquanto, ele está disponível para Windows 10, mas a Microsoft também prepara versões do navegador para macOS, Windows 7 e Windows 8.1. Lembrando que, para aqueles que decidirem testar o software, não é recomendado o seu uso para tarefas importantes, uma vez que o software ainda está em fase de desenvolvimento.

 

Via ZDNet


Compartilhe