O preço do SSD segue caindo em uma tendência acumulada nos últimos anos, conforme os custos das memórias flash NAND caíram. E devem continuar a cair em 2019.

Hoje, o preço do SSD com 1 TB caiu mais de 50% desde 2018. Existe um excesso de oferta de memória Flash por causa da baixa demanda de notebooks e smartphones, e a queda de preços é mais sentida especialmente nas unidades mais rápidas, que se conectam à interface PCIe.

Isso vai beneficiar a adoção das unidades SSD em todo o mercado de PC, e em especial, nos jogos. As unidades passaram a contar como o principal padrão de armazenamento par ao mercado de consumo, substituindo os discos rígidos. A enorme quantidade de computadores pessoais na CES 2019 confirma que o uso do SSD em todos os segmentos de mercado é uma realidade.

 

 

A RAM também está mais barata

Apesar da maior adoção de chips Flash NAND em SSD, as previsões apontam que os preços vão cair de forma sequencial em mais de 15% durante o primeiro trimestre de 2019. Isso vai beneficiar também outros componentes, como as memórias RAM.

Os preços mínimos para os módulos de memória de 4 GB e 8 GB caíram para abaixo dos US$ 30 e US$ 60, respectivamente. É esperado que em 2019 a queda continue diante da crescente pressão que os fabricantes de memórias são submetidos para gerenciar os inventários.

Além disso, os envios de módulos DDR4 de elevadas especificações para os videogames foram afetados pela escassez de processadores Intel, o que levou os consumidores a recorrer às plataformas da AMD. Isso fez com que a participação de mercado da AMD no segmento de videogames aumentasse em até 17%, aumentando os envios dos módulos DDR4 com frequências inferiores a 3.200 MHz, em comparação com uma desaceleração dos envios de módulos de frequência superior a 3.600-4.000 MHz.

Tudo isso pode mudar ao longo do ano se os fabricantes limitam a produção, mas inicialmente as notícias são boas para o consumidor final. O preço do SSD por GB está mais barato do que nunca, e o custo das memórias RAM mudaram a tendência.

 

Via Digitimes