Que o CD de música está desaparecendo a passos largos, nós já sabemos a um bom tempo. E que o streaming vai tomar o seu lugar, isso também é um fato. Mas os números mostram que, em alguns lugares, o CD resiste em desaparecer.

Hoje, computadores e carros não contam com leitores de CD, e as vendas de mídia física são bem baixas, indo na direção inversa do crescimento exponencial do consumo de músicas por streaming.

Um relatório da IFPI mostra que a América Latina é o lugar onde a música por streaming gera mais receitas e é também onde mais cresceu, com 17.5%, seguido pelos Estados Unidos (12.8%) e Europa (4.3%). Lembrando que a densidade da população também influencia nesses estudos.

 

 

Por outro lado, a quantidade de assinantes de serviços de streaming cresce a cada ano. Em 2017, eram 112 milhões de usuários pagos, e agora são 176 milhões de assinantes, além das receitas geradas pelo streaming alcançar a marca de US$ 7.1 bilhões.

São números enormes, que só serão maiores com o passar do tempo. E, nessa equação, o CD de música naturalmente vai desaparecer.

É um movimento inevitável.