Nasceu um serviço de streaming esportivo “Megazord” nos EUA

Compartilhe

Sabe o Megazord? Aquele robô gigante que era formado pelos outros cinco robôs menores dos Power Rangers? Então… essa foi a melhor analogia que eu encontrei para explicar o que aconteceu nos Estados Unidos com a notícia que destaco neste artigo.

Um novo serviço de streaming esportivo está chegando, fruto de uma colaboração inédita entre três gigantes do entretenimento: Disney, Warner Bros. Discovery e Fox. As três reúnem ativos muito valiosos, e juntas podem dominar esse segmento.

O serviço, que ainda não tem nome nem preço definidos, promete revolucionar a forma como os fãs assistem aos seus esportes favoritos, oferecendo uma programação diversificada, de qualidade e (o mais importante) sem depender do empacotamento das operadoras.

 

O que esperar do novo serviço de streaming esportivo?

Essa plataforma combinada está programada para estrear no outono, oferecendo aos assinantes uma ampla variedade de canais esportivos. Isso inclui grandes nomes como ESPN, ESPN2, ESPNU, SECN, ACCN, ESPNEWS, ABC, Fox, FS1, FS2, BTN, TNT, TBS, truTV e ESPN+.

Com essa programação, os entusiastas de esportes podem desfrutar da cobertura ao vivo de diversas modalidades, como futebol americano (NFL), basquete (NBA), beisebol (MLB), hóquei (NHL), artes marciais mistas (MMA) e automobilismo (NASCAR).

Além disso, o serviço também terá conteúdo exclusivo e original, como documentários, entrevistas, análises e bastidores.

Os assinantes poderão acessar o serviço por meio de um aplicativo, que poderá ser baixado em dispositivos móveis, smart TVs, consoles de videogame e outros aparelhos compatíveis.

O aplicativo permitirá aos usuários personalizar sua experiência, escolhendo os canais, esportes e times que desejam acompanhar, além de receber notificações, recomendações e interagir com outros fãs.

Os detalhes sobre o nome e preço do aplicativo de streaming esportivo ainda estão por serem anunciados ou definidos. Mas todo o mercado já está sentindo o impacto dessa iniciativa, com várias repercussões dentro do setor.

 

O que dizem os CEOs envolvidos no projeto?

O anúncio da iniciativa foi feito pelos CEOs das três empresas envolvidas no projeto: Bob Iger (Disney), Lachlan Murdoch (Fox) e David Zaslav (Warner Bros. Discovery). Em um comunicado conjunto, eles destacaram a importância da parceria para o mercado e para os consumidores.

Bob Iger afirmou que o serviço é uma resposta à demanda dos fãs por mais opções e flexibilidade na hora de assistir aos seus esportes favoritos. Ele também ressaltou que o serviço irá beneficiar a indústria esportiva, gerando mais receita e audiência para as ligas, times e atletas.

Lachlan Murdoch disse que o serviço é uma oportunidade única para a Fox expandir seu alcance e sua oferta de conteúdo esportivo, aproveitando a força de suas marcas e sua expertise no segmento.

Além disso, ele prevê que o serviço será uma opção atrativa para os fãs que não estão satisfeitos com os pacotes tradicionais de TV por assinatura ou que querem complementar sua experiência.

David Zaslav destacou que o serviço é um exemplo de inovação e colaboração entre as empresas, que compartilham uma visão comum sobre o futuro do entretenimento.

Ele também enfatizou que o serviço irá oferecer mais escolha e valor para os consumidores, que poderão acessar um catálogo incomparável de conteúdo esportivo por um preço competitivo.

 

O que está por trás desse movimento?

A guerra dos streamings chegou ao fim, e a Netflix claramente venceu. Seu modelo de negócios prevaleceu, e suas principais concorrentes voltaram a negociar os direitos de exibição de algumas produções com a plataforma líder do setor.

Além disso, todas as plataformas perceberam que o consumidor não vai mais pagar por tantos serviços de streaming combinados, e que a melhor forma de sobreviver no segmento é unir as forças para que todos possam ganhar alguma coisa.

Neste sentido, Warner Bros. Discovery, Fox e ESPN tentam o movimento do “unidos, venceremos”, tanto para convencer o consumidor a assinar o serviço quanto para reduzir os valores de negociação dos direitos de transmissão dos eventos esportivos.

Separadas, essas empresas entram em uma concorrência feroz para adquirir eventos de grande porte como a UEFA Champions Legue e a Fórmula 1. Em uma plataforma combinada, o evento em questão pode ser adquirido por um preço muito menor.

Não que o novo serviço de streaming não terá concorrência. Vai ter, já que outras plataformas importantes não entraram nessa joint venture. Mas com um número menor de empresas na disputa, os preços pelos direitos esportivos tendem a cair.

E para o usuário que ama esportes, o novo serviço pode ser o mundo perfeito para assistir a todo conteúdo esportivo que sempre sonhou ter na vida. Ou não, pois essa plataforma pode cobrar bem mais caro pela exclusividade de alguns campeonatos no streaming.

Só vamos descobrir qual faceta esse Megazord vai mostrar quando a nova plataforma finalmente estrear.

 

A iniciativa pode chegar ao Brasil no futuro?

Acho bem difícil de acontecer.

Os direitos esportivos são negociados e comercializados de forma diferente nos diversos mercados globais, e os mesmos eventos exibidos nos Estados Unidos estão nas mãos de outras empresas do setor de entretenimento no Brasil.

Uma proposta similar pode até ser lançada no mercado brasileiro, mas teria que agregar os direitos esportivos que Warner Bros. Discovery e ESPN já possuem (uma vez que a Fox não existe por aqui).

Além disso, as atuais plataformas de streaming já encontraram um formato similar de parceria sem necessariamente criar uma nova empresa para oferecer eventos esportivos combinados.

Por exemplo, o Amazon Prime Video permite que você assine o Premiere dentro da plataforma, e até pouco tempo atrás a Globoplay estava com parceria com a Disney para promover a ESPN no Star+ em combinação com os canais ao vivo.

Logo, se o novo serviço de streaming combinado entre essas gigantes chegar algum dia no Brasil, não será com a mesma proposta que foi apresentada nos Estados Unidos. Mas isso, em teoria: o futuro pode mudar tudo na prática.

 

Como fica o cenário do streaming esportivo?

A nova plataforma em um momento em que o mercado está cada vez mais competitivo e fragmentado. Atualmente, existem diversas ofertas de streaming para eventos esportivos, tanto de plataformas dedicadas ao segmento, como DAZN, FuboTV e Peacock Sports, quanto de plataformas generalistas que incluem conteúdo esportivo em seus catálogos, como Netflix, Amazon Prime Video e Hulu.

Além disso, algumas ligas e times também têm seus próprios serviços de streaming, como NFL Game Pass, NBA League Pass e MLB.TV. Esses serviços permitem aos fãs assistir aos jogos ao vivo ou sob demanda, além de ter acesso a conteúdo extra e exclusivo.

Com tantas opções disponíveis, os fãs podem ter dificuldade em escolher qual serviço assinar ou se vale a pena assinar mais de um. Por isso, o novo serviço aposta em uma estratégia diferenciada, reunindo em um só lugar alguns dos canais mais populares e prestigiados do segmento esportivo.

Considerando os nomes envolvidos, a nova plataforma de streaming tem tudo para ser um sucesso entre os fãs de esportes, que poderão desfrutar de uma programação variada e de qualidade, com eventos ao vivo, conteúdo original e interatividade.

Resta saber se o serviço conseguirá se destacar em meio à concorrência, e se terá um preço acessível e justo para os consumidores.


Compartilhe