O Motorola One Power é uma versão mais energizada do recém anunciado Motorola One, o primeiro smartphone da marca da Lenovo com Android One. A principal diferença entre os dois modelos? Uma bateria consideravelmente maior.

Mas esta não é a única diferença entre os dois modelos. O Motorola One Power conta com processaodr Snapdragon 636 octa-core a 1.8 GHz, GPU Adreno 509, 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento (expansíveis via microSD).

Sua tela Max Vision possui 6.2 polegadas (Full HD+, 2280 x 1080 pixels, 19:9) com notch. A câmera traseira também é dupla, mas com resoluções de 16 MP + 5 MP, e também oferece o efeito bokeh.

O modelo, que conta com conectores para fones de ouvido e Android 8.1 Ore One (sem personalização), possui uma bateria de 4.850 mAh, uma grande diferença em comparação aos 3.000 mAh do Motorola One, e possui o modo de recarga rápida TurboPower combinada com a tecnologia Quick Charge 3.0.

Aqui, eu vi vantagens. Muitas vantagens.

 

 

Não apenas é um smartphone de linha média de 2018 em toda a regra (por mais que eu defenda o Snapdragon 625, não posso tirar da cabeça o fato que ele é um chip conceitualmente desatualizado, comercializado em 2017), mas também temos um produto com uma bateria generosa.

E, se levarmos em conta os benefícios que o Snapdragon 636 pode oferecer, podemos ter um dispositivo que pode alcançar sem maiores problemas os dois dias de uso.

Fica a torcida desde já para que o Motorola One Power desembarque um dia no Brasil. Ele tem tudo para ser um campeão de vendas, e dar um trabalho enorme para a concorrência. Para mim, quanto mais alternativas de qualidade o mercado receber, melhor.

O Motorola One Power já está disponível no mercado da Índia, mas seu preço não foi revelado, assim como o seu lançamento para o mercado internacional.