Compartilhe

O que mudou do HTC U11+, lançado em novembro de 2017, para o HTC U12+, anunciado em maio de 2018?

O que podemos adiantar desde já é que o HTU U12+ é uma evolução descafeinada em alguns pontos, mas melhorada em outros.

No design, as diferenças aparecem pela ausência de algumas coisas. A linguagem de design e materiais (estrutura metálica e cristal) são as mesmas. O novo modelo é mais alto e largo, mas é uma mudança apenas perceptível.

A tela mantém as 6 polegadas (18:9, QHD+), com gama de cores DCI-P3 e suporte para HDR10. A resistência à água (IP68) também está mantida.

 

 

A mudança externa mais chamativa está nas câmeras duplas nas partes frontal e traseira do HTC U12+. Na traseira, sensores de 12 MP + 16 MP, a segunda com telefoto com zoom de 2x. Além disso, um novo sistema de foco que combina a detecção de fase e laser, estabilizador ótico e eletrônico está presente, além de um modo de gravação de vídeos 4K a 60 fps. Na câmera frontal, dois sensores de 8 MP com modo retrato e AR stickers.

Já o HTC U11+ conta com câmeras simples nos dois lados, com sensores de 12 MP e 8 MP, com recurso de zoom e modo retrato.

No interior, o HTC U11+ conta com o processador Snapdragon 835, enquanto que o HTC U12+ recebe o Snapdragon 845. Na memória, o novo modelo fica com 6 GB de RAM em opção única, enquanto que o HTC U11+ está disponível em versões com 4 GB ou 6 GB. Os dois modelos receberam versões com 64 GB ou 128 GB de armazenamento, expansíveis via microSD.

 

 

O novo modelo recebe uma importante redução de bateria, mas com o mesmo peso. O HTC U12+ possui 3.500 mAh, 430 mAh a menos que o seu predecessor. Uma mudança difícil de ser explicada.

Por último o novo modelo também conta com o Edge Sense, a borda sensível à pressão que vimos no primeiro modelo, agora com mais gestos para acionar mais recursos, além da presença do Google Assistente e Amazon Alexa, convivendo em harmonia.

 

 

A evolução do HTC U11+ para o HTC U12+ oferece mudanças importantes em pontos importantes, mas mostra também que renovar um smartphone em tão pouco tempo faz com que as novidades sejam bem mais comedidas.

E a troca pode não ser tão compensadora assim no final das contas.


Compartilhe