Compartilhe

Muita gente que quer ter uma casa inteligente de verdade considera o Google Chromecast um item essencial. É um dos gadgets mais versáteis e acessíveis do mercado, com funcionalidades fantásticas. Porém, quando utilizado da forma errada, o Chromecast pode representar um sério risco para a sua privacidade.

Milhares usuários alertaram para a ação do popular hacker Giraffe, fã confesso do youtuber PewDiePie, que conseguiu hackear mais de 5 mil unidades do Google Chromecast, do Google Home e de Smart TVs, onde em todos os dispositivos ele liberou uma imagem que informa que o gadget em questão ficou publicamente exposto na internet.

Além disso, Giraffe achou que seria engraçado promover o canal de Felix Kjellberg (aka PewDiePie), explicando que a ação foi desenvolvida da forma mais inofensiva possível, com o único objetivo de chamar a atenção dos usuários.

Para mostrar que é um cara legal, ele incluiu na imagem um link para um tutorial que mostra como é possível manter a segurança de sua privacidade ao utilizar esses dispositivos.

Já a promoção do canal do PewDiePie tem uma explicação bem simples. Este é, nesse momento, o canal com o maior número de seguidores no YouTube. E nos últimos meses ele está envolvido em uma competição com o canal indiano T-Series, que ameaça esse posto de destaque do sueco.

Rapidamente, o slogan “Subscribe to PewDiePie” se tornou um meme viral na internet, e como Giraffe é fã do youtuber em questão, ele achou que esta seria uma adição cômica à sua “experiência social educativa”.

Um representante do Google emitiu um comunicado oficial sobre o incidente, e foi categórico ao afirmar que o ocorrido não é um problema relacionado com o Google Chromecast, colocando a culpa sobre os ombros dos usuários que não cuidam das configurações utilizadas em seus roteadores.

O hacker ainda revelou que, no seu scan inicial que utilizou o motor de busca Shodan, ele encontrou mais de 120 mil dispositivos vulneráveis ao seu script (de novo, desenvolvido na brincadeira). Ele reforça que o seu objetivo com a ação foi apenas educacional.

De fato, se fosse outro tipo de hacker, a vulnerabilidade seria explorada de forma bem mais nefasta ou nociva.

 

Via CNET


Compartilhe