Wetten.com Brasil Apostas
Home » Software » Esta novidade do Windows 10 está irritando a muitos usuários

Esta novidade do Windows 10 está irritando a muitos usuários

Compartilhe

A Microsoft lança, em média, duas grandes atualizações do Windows 10. E parece que virou uma tradição o fato dos updates do sistema operacional esconder algumas surpresas que não agradam muito aos usuários. No caso do Windows 10 May 2020 Update, a surpresa é que o Windows abandonou uma de suas funções mais básicas.

Boa parte dos leitores não devem conhecer o recurso Windows Fresh Start, mas muitos utilizaram essa funcionalidade ao longo de sua vida. Esse é um recurso muito importante deste sistema operacional, pois realiza uma reinicialização e reinstalação do sistema de forma rápida e simples, deixando o sistema operacional bem limpo. Mesmo assim, o recurso sumiu com a última atualização do software.

 

 

 

Windows Fresh Start sumiu. Ninguém sabe, ninguém viu…

 

O Windows Fresh Start chegou em 2017, e permite (ou melhor, permitia) a formatação e reinstalação do sistema operacional de uma maneira simples e rápida. Ele basicamente limpava todo o computador, eliminando os aplicativos instalados, tanto os softwares que foram instalados por nós como aqueles que já estavam pré-instalados no sistema operacional, deixando os dados e os arquivos de usuário, não afetando o conteúdo do disco rígido de forma profunda.

Pois bem, o Windows 10 May 2020 Update (2004) não contém essa função de limpeza. Na realidade, o recurso até está nominalmente presente, mas não é funcional. Você pode encontrar o Fresh Start nos ajustes do sistema, mas quando tenta acessar esta funcionalidade, você é redirecionado para um site informativo, afirmando que não existe a opção de ativar este sistema de limpeza.

Por enquanto, a Microsoft não se pronunciou sobre os motivos dessa mudança. Alguns veículos de imprensa especializados em tecnologia informam que, ao apagar aplicativos dos fabricantes de computadores, os mesmos teriam reclamado com a gigante de Redmond, que teria voltado atrás com o recurso.

Já para muitas pessoas que trabalham testando aplicativos ou versões beta de softwares, o Fresh Start é uma boa maneira para restaurar o computador sem perder os dados de usuário e outros arquivos importantes. E perder essa funcionalidade a essa altura do campeonato significa prejudicar (e muito) usuários de diferentes categorias e perfis de uso.

Fato é que você até pode utilizar outro aplicativo que pode herdar as capacidades do Fresh Start, caso ele realmente esteja extinto ou removido do Windows 10. A versão 2004 do sistema operacional da Microsoft apresenta como uma de suas principais novidades o modo de recuperação na nuvem, que restaura o dispositivo e reinstala o Windows 10 atualizado para a última versão pública lançada, eliminando assim todos os aplicativos e programas não incluídos no Windows, com a possibilidade de manter os arquivos pessoais ou não, além de limpar ou não as unidades de disco.

Ou seja, a restauração pela nuvem entrega uma função similar ao do Fresh Start, mas a partir do Cloud Recovery e com algumas variações. A principal diferença é que, no novo sistema, não existe a eliminação de bloatwares, atendendo assim aos interesses dos fabricantes de PCs, pois os aplicativos pré-instalados permanecem no computador.

E é isso o que está irritando os antigos usuários do Fresh Start.

Acho difícil a Microsoft mudando de ideia diante de tal cenário, mas… vamos aguardar. Quem sabe a empresa ouve todas as reclamações e decide mudar alguma coisa.

 

 

Via HTNovo, Cloud Recovery


Compartilhe