Compartilhe

Mas é claro que a Apple subiu os preços de vários dos seus produtos no Brasil logo depois do anúncio de novas versões desses mesmos produtos lá fora. Você realmente esperava algo diferente da gigante de Cupertino? Logo essa empresa que visa o lucro acima de tudo e esfolar o rim (e o cartão de crédito) dos seus usuários brasileiros acima de todos.

De novo: eu passei dessa fase da minha vida onde eu ficava ditando (para não usar outro termo nesse post, pois quero ser educado) regras no dinheiro dos outros, chamando de “otário” quem aceitava pagar por esses preços por aqui. Hoje, estou mais propenso a dizer “o dinheiro é seu, e você faz o que quiser com ele”. Mas a questão nem é essa.

Aliás, deixou de ser uma questão de ter usuários dispostos a pagar esses preços.

 

 

 

No Brasil, a Apple é a “madrasta carrasca”

 

 

Confesso que bate um certo desânimo escrever sobre a Apple no blog porque faz um certo tempo que ela não traz uma audiência que considero satisfatória para dedicar o meu tempo em uma pauta sobre os seus produtos. E descobri que os leitores do TargetHD.net não se interessam mais pelos produtos da empresa da maçã mordida por causa dos elevados preços cobrados por eles.

Para a grande maioria dos brasileiros, os produtos da Apple são proibitivos. Logo, por que se interessar por algo que não se pode comprar? Ninguém vai perder tempo dessa forma. E quem pode comprar acaba importando esses produtos, ou pagando por eles de forma parcelada, seja através das operadoras de telefonia móvel ou pelo boleto das Casas Bahia em 30 vezes sem juros.

A Apple sabe disso. Não é possível que não saiba. Logo, acaba apenas posicionando os seus produtos no mercado brasileiro naquele estilo “vai que cola”, pois sempre vai ter alguém disposto a pagar os preços cobrados, ao mesmo tempo que sabe que a grande maioria que realmente quer um produto da marca “vai dar seus pulos”, comprando os produtos por outros meios.

E, assim, a Apple fica com o dinheiro de qualquer forma.

 

 

 

De que tamanho foi a facada dessa vez?

 

 

Foi grande. Enorme. Maior do que aquele corte na sua barriga quando você teve o terceiro filho de cesariana.

Ah, você é homem e não sabe o que é isso? Pergunte para a sua mãe ou avó então… ou continue a ler esse post, que é quase a mesma coisa na explicação.

Basicamente tudo o que está de alguma forma relacionado com o que foi recentemente anunciado pela Apple sofreu reajustes de preços por parte da empresa. As atuais versões do iPad Pro e iPad Mini, o Watch Series 3, diversos acessórios (incluindo o Apple Pencil), e serviços de reparos na assistência técnica tiveram os seus preços inflacionados.

Além disso, os produtos recém anunciados (Watch Series 6, iPad de oitava geração e iPad Air 2020) chegarão no Brasil mais caros do que as suas gerações anteriores, algo que já era esperado com tudo o que aconteceu em 2020 (crise sanitária global, instabilidade econômica, cotação do dólar maluca, etc), mais os motivos que só afetam ao nosso país e bem sabemos quais são (fator Brasil, a ganância da Apple, o brasileiro que aceita pagar qualquer preço, etc).

Os reajustes nos preços giram em torno de 35%, mas a tabela no final do post mostra que alguns itens sofreram aumento de mais de 60%, o que é inexplicável, mesmo com todos os fatores que já foram mencionados neste post. Vale a pena lembrar que alguns itens nos Estados Unidos não tiveram os seus preços reajustados (como é o caso do Watch Series 3), enquanto que outros agora contam com itens a menos, como o adaptador de tomadas que foi retirado do kit de venda.

Tudo bem, o carregador de 5W recebeu um desconto de 50%, e passa a custar US$ 149. Porém, você está pagando a mais para receber itens a menos, e é obrigado a comprar o carregador separadamente, caso queira um item dedicado para o novo produto. É a Apple ganhando duas vezes de qualquer forma. Acessórios que já contavam com preços proibitivos agora estão ridiculamente caros, e não consigo entender como isso pode ser bom para o consumidor.

Mesmo porque não é.

Por fim, todos os novos produtos que a Apple anunciou recentemente estão custando entre R$ 500 e R$ 1.400 mais caros que os seus preços de lançamento em 2019. O caso mais absurdo é do Watch Series 6, que tem seu preço inicial sugerido de R$ 5.399, enquanto que o Watch Series 5 chegou por aqui pelo valor inicial sugerido de R$ 3.999, que já era considerado elevado demais para um relógio inteligente.

E vê se faz um seguro para o seu novo iDevice, pois consertar o dispositivo também ficou mais caro, é claro.

 

 

 

O que fazer para mudar esse quadro?

 

Simples. Não compre produtos da Apple a partir da própria Apple. Busque outras alternativas para comprar produtos da empresa. Simples assim.

 

 

 

Os novos preços para o iPad

 

Produto/serviçoPreço antigoPreço novo%
iPad Pro de 11″, Wi-Fi de 128 GBR$ 8.499R$ 9.999+18%
iPad Mini, Wi-Fi de 64 GBR$ 4.099R$ 4.799+17%
iPad de 7ª e 8ª geração, Wi-Fi, 32 GBR$ 3.499 (7ª geração)R$ 3.999 (8ª geração)+14%
iPad Air de 3ª e 4ª geração, Wi-Fi de 64 GBR$ 5.099 (3ª geração)R$ 6.999 (4ª geração)+37%
Apple Pencil (1ª geração)R$ 899R$ 1.199+33%
Apple Pencil (2ª geração)R$ 1.249R$ 1.599+28%
Smart Folio para iPad Pro de 11″R$ 739R$ 949+28%
Magic Keyboard para iPad Pro de 12,9″R$ 2.999R$ 3.699+23%
Reparo do iPad Air de 3ª geraçãoR$ 2.699R$ 3.289+21%
Reparo do iPad Pro de 12,9″ (3ª e 4ª gerações)R$ 5.099R$ 5.979+17%

 

 

 

 

Os novos preços para o Apple Watch

 

Produto/serviçoPreço antigoPreço novo%
Watch Series 3 de 38 mm (GPS, alumínio)R$ 1.999R$ 2.599+30%
Watch Series 3 de 42 mm (GPS, alumínio)R$ 2.249R$ 2.949+31%
Watch Series 5 e 6 de 40 mm (GPS, alumínio)R$ 3.999 (Series 5)R$ 5.399 (Series 6)+35%
Watch Series 5 e 6 de 44 mm (GPS, alumínio)R$ 4.249 (Series 5)R$ 5.649 (Series 6)+33%
Pulseira esportiva, loop e NikeR$ 399R$ 549+38%
Carregador de 5 WR$ 299R$ 149-50%
Carregador magnético (2 m)R$ 279R$ 449+61%
Base carregadoraR$ 599R$ 949+58%
Reparo do Watch Series 3 (GPS)R$ 1.079R$ 1.399+29%
Reparo do Watch Series 4 e 5 (GPS)R$ 2.019R$ 2.599+28%

 

 

 

Via MacMagazine, Tecnoblog


Compartilhe