Como ativar o WebRender no Firefox para Linux

Compartilhe

Sim, amigo leitor usuário do Linux… finalmente um post com uma dica voltada para você, que reclamou durante muito tempo que foi esquecido no churrasco do mundo da tecnologia.

E eu assumo parte da responsabilidade. Até mesmo pelos interesses comerciais que são mais que evidentes, o maior volume de posts e dicas de tecnologia são voltados para os sistemas operacionais mais populares do mercado. Mas isso não me impede de produzir conteúdos pensados no Linux, que conta com usuários muito fiéis e, parando para pensar de forma mais ampla, está presente em segmentos muito importantes, e não deveria ser desprezado ou ignorado por completo.

Desculpas aceitas? Fizemos as pazes?

OK. Vamos ao post.

A Mozilla decidiu habilitar o WebRender no Firefox de forma lenta e progressiva. No Firefox 77, o recurso chegou ao Windows 10 em notebooks com placas gráficas da NVIDIA, e antes disso ele foi habilitado em notebooks com gráficos integrados da Intel. Mas nada do recurso desembarcar no navegador na sua versão Linux.

O WebRender é importante porque ele é boa parte do Servo, o novo motor de renderização do Firefox Quantum, mudando a forma do funcionamento do motor para que ele se pareça mais com um videogame 3D, deixando tudo mais fluído na navegação e aproveitando o poder da sua GPU no lugar de explorar a CPU.

Agora, vamos mostrar como você pode ativar esse importante recurso no Firefox para Linux.

 

 

 

Como ativar o WebRender no Firefox para Linux

 

Em algum momento no futuro, a Mozilla vai habilitar o WebRender em todas as suas versões do Firefox disponíveis para os diferentes sistemas operacionais compatíveis, mas por enquanto, apenas uma boa parte dos usuários do Windows 10 pode utilizá-lo.

Mas isso não quer dizer que o Firefox 78 para Linux não conta com o WebRender. Ele está lá, mas seu uso pode introduzir bugs no navegador. Se você está disposto a assumir os riscos e quer tentar a sorte, pode habilitar o recurso por conta própria.

Para isso, abra o Firefox em sua distribuição Linux de sua preferência e digite “about:config” (sem as aspas) na barra de endereços. Uma vez que aparecer a tela de configurações do navegador, digite “gfx.webrender.all” (sem as aspas) na caixa de busca, e mude o valor desse item de “false” para “true”, clicando no ícone com duas flechas que aparece do lado direito.

Salve as alterações e reinicie o Firefox para a mágica acontecer.

 

 

O resultado deve ser notado de forma imediata. O scroll é bem mais suave, o movimento dentro da janela do navegador é mais fluído e os tempos de carga são menores. Ou seja, a sua experiência de navegação com o WebRender é otimizada, o que vai impactar de forma sensível na sua produtividade.

É importante ressaltar que os resultados alcançados podem variar muito, dependendo de diversos fatores como o seu hardware, a velocidade de sua conexão à internet e até as extensões que você tem instaladas no Firefox, sem falar no site que você está tentando acessar.

Porém, um dos fatores mais decisivos para obter bons resultados com o WebRender é a distribuição Linux que você está utilizando. Esse fator é, talvez, o mais relevante para determinar as diferenças de resultados na habilitação desse recurso na sua instalação do Firefox.

 

 

Via OMG!Ubuntu!


Compartilhe