As vendas de smartwatches cresceram 56% no último trimestre de 2018, encerrando o melhor ano da história desse segmento de mercado. Curiosamente, a explosão de vendas coincide com a estagnação das vendas de smartphones.

O crescimento dos smartwatches se explica porque o consumidor quer personalizar os smartphones, levando a conectividade digital para o pulso. Os resultados confirmam as previsões otimistas da indústria sobre esse segmento de produto.

Foram 18 milhões de relógios inteligentes vendidos no último trimestre de 2018, e 45 milhões ao longo de todo o ano passado. São dois recordes, e o segmento está impulsionando todo o mercado de wearables.

A Apple segue liderando o setor, vendendo um de cada dois smartwatches vendidos no mundo. Porém, perdeu 16% de cota de mercado em 2018, enquanto que a concorrência aumentou as suas vendas.

Porém, a distância a favor da Apple ainda é enorme, com 22,5 milhões de unidades vendidas em 2018. Quatro vezes mais que os seus principais concorrentes, Samsung e Fitbit.

 

 

A Samsung superou a Fitbit no quarto trimestre, e está em plena ascensão. Recentemente, os coreanos apresentaram novos wearables, deixando de lado o Wear OS do Google para apostar no Tizen.

Já a Fitbit, especializada em pulseiras quantificadoras, também se posicionou bem com os seus smartwatches, vendendo 5.5 milhões de unidades em 2018, e se mantendo por pouco na segunda posição global ao longo de 2018. A Garmin completa o Top 4 com os seus relógios focados na atividade esportiva.

É um setor que está em alta. Veremos se esse crescimento continua nos próximos trimestres.

 

Via CNET