Compartilhe

Há muito tempo se fala no fim do notch, em busca de um design sem tela. Agora, temos a proposta do telefone com design sem furo, sem buraco, sem relevo. Totalmente liso. Vivo e Meizu são dois exemplos em como isso pode virar tendência.

O Vivo Apex 2019 e o Meizu Zero apresentam um conceito de smartphone que não só eliminou o notch, mas também todos os botões, slots e portas, entregando um design completamente unibody e com aposta na tecnologia sem fio.

E isso tem vantagens e desvantagens, como em tudo nessa vida.

 

 

É claro que um design sem botões ou bordas entregam um aspecto mais homogêneo e estilizado, além de evitar problemas e avarias derivadas da entrada de água ou sujeira pelos orifícios, sem falar nos cabos que serão parcialmente esquecidos.

Sem falar que os SIM cards serão substituídos pelos eSIM, reduzindo os riscos de problemas físicos, além da maior facilidade para portabilidade e a possibilidade de associar mais de uma operadora em diferentes países. O único problema aqui é que nem todas as operadoras trabalham com o eSIM nesse momento.

Agora que as principais vantagens dos smartphones sem slots ou botões foram abordadas, vamos falar das dúvidas e/ou inconvenientes.

 

 

Como fazer o reset em um smartphone sem botões? A Meizu solucionou isso com um pequeno orifício similar ao do microfone para fazer um hard reset no seu modelo. Outro problema é a dependência absoluta da tecnologia sem fio, tanto para recarga como para ouvir música. Ficar dependente exclusivamente do wireless é algo que nem todos querem nesse momento.

A Meizu garante que a velocidade de recarga não será um problema, pois a tecnologia Super mCharge permite carregar o smartphone com até 18W de potência. Mesmo assim, não é possível apelar para qualquer carregador em caso de emergência, e só poder realizar recargas com o pad sem fio.

Outra preocupação está na importância cada vez maior da tela. Se ela quebra (algo que ainda é muito comum e pode acontecer), é provável que o dano afete todos os componentes e tecnologias integradas nela (alto-falantes e leitor de digitais, inclusive), porque a sua reparação será muito mais complicada e cara.

 

 

Ou seja, estamos diante de mais uma reinvenção no design dos smartphones que, tal e como sempre acontece com as grandes mudanças, apresenta vantagens e desvantagens. Não sabemos se esta será uma moda passageira, mas se virar tendência, imaginamos que os fabricantes vão solucionar todos os inconvenientes que destacamos nesse post.


Compartilhe