A loja Margiotta Food & Wine em Edinburgo decidiu apostar nas tecnologias robóticas, e contratou uma unidade do robô Pepper. Porém, depois de uma semana de testes, ficou constatado que o novo funcionário não cumpria com o seu trabalho com eficiência.

Resultado: o robô foi demitido.

No primeiro dia, tudo parecia bem: o robô batizado como Fabio rapidamente conquistou os clientes com sua simpatia. Porém, na hora de trabalhar, ficou claro que ele ainda tinha muito a melhorar.

 

 

Por exemplo, quando alguém perguntava para Fabio onde poderia encontrar uma cerveja, o robô respondia apenas que ‘estava na seção de bebidas alcoólicas’, sem entrar em detalhes. Também apresentava dificuldades ao circular pela loja e acompanhar os clientes até os produtos procurados.

Isso é, quando o robô entendia o que os clientes diziam. O ruído ambiente da loja impedia que Fabio entendesse bem as perguntas feitas, e os clientes precisavam repetir a pergunta algumas vezes.

Depois de comprovar que o robô não servia para a sua função laboral, a loja decidiu dar uma segunda chance, colocando o funcionário para oferecer aos clientes o teste de um produto quando eles se aproximavam.

Porém, Fabio ‘se empolgou’ no novo posto, a ponto dos clientes evitarem a abordagem com ele. Ao longo de um dia de trabalho apenas dois clientes provaram os snacks de carne que ele oferecia, enquanto que os seus colegas humanos abordaram mais de uma dezena de pessoas.

Diante de sua baixa efetividade, os donos da loja decidiram demitir o robô.

 

 

O experimento falido não quer dizer que os robôs não podem substituir os humanos em alguns postos de trabalho, mas sim que ainda falta algum tempo para isso acontecer. Com esse teste, a loja aprendeu que os clientes gostam da interação com funcionários humanos, e ainda resta saber até que ponto os robôs conseguem replicar essa experiência.

 

Via Daily Mail