A Playboy teria pensado em incluir como método de pagamento em seu site a criptomoeda VIT (Vice Industry Token), mas isso não vai acontecer. A revista para adultos processou a empresa canadense Global Blockchain Technologies (BLOC) por não cumprir um contrato onde a startup se comprometia a incluir esta criptomoeda como forma de pagamento na plataforma online.

Em março, foi fechado um contrato entre a Playboy e o BLOC para a integração do VIT como método de pagamento para o serviço online da revista. A ideia era que os usuários pagassem pelo conteúdo com esse dinheiro virtual.

Além de integrar o sistema de pagamento, a BLOC teria se comprometido a pagar para a Playboy o valor de US$ 4 milhões para implementar a sua tecnologia no site. Porém, de acordo com a revista, nada disso aconteceu. Por isso, o processo foi apresentado em um tribunal de Los Angeles (EUA), onde é solicitado uma indenização por perdas e danos.

Não dá para saber quais as implicações do contrato, mas é certo que o acordo existia, a ponto se ser confirmado pela VIT em sua conta no Twitter. A BLOC alega que não agiu com maldade, e acredita que pode se defender contra o processo sem problemas.

Além dos impactos nas empresas envolvidas, fica claro que a incorporação das criptomoedas em grande escala não é tão simples como parece. Por outro lado, outros serviços incluíram tal método sem muitos traumas. Por exemplo, o Pornhub, uma das páginas para conteúdo adulto mais populares, que conta com a criptomoeda Verge como método de pagamento oficial a algum tempo.

E o motivo para sites adultos incluírem as criptomoedas em suas ferramentas online porque é um método de pagamento discreto e rápido. Dois itens muito valorizados pelos seus usuários.

 

Via The Next Web