Compartilhe

Em abril de 1993, Mortal Kombat II chegou ao mundo. Ao lado de Street Fighter II, foi um dos jogos mais populares do seu tempo, sendo um dos responsáveis pelo crescimento dos jogos de luta no mercado.

Muitos jogaram esse game nos arcades e nos consoles. E o jogo se apresentou de formas diferentes nas diversas plataformas.

Nesse post, vamos mostrar algumas dessas variações do jogo, incluindo uma versão não finalizada.

 

 

 

 

Mortal Kombat II 1.1 e 1.4

 

As primeiras versões que apareceram, e as que quase desapareceram. Eram bem incompletas, sem todos os movimentos dos personagens e (o mais sério de tudo), sem contar com todos os fatalities. Não haviam babalities nem friendships. Também não contavam com as cinemáticas (imagens fixas com texto) ao terminar o jogo, e a inteligência artificial da CPU nos chefes finais era elevada demais ou com muitos bugs.

 

 

 

Mortal Kombat II 2.1

 

É considerada a primeira oficialmente distribuída pela Midway, incluindo babalities, friendships e fatalities, além dos cenários The Pit II e Kombat Tomb. Os personagens Jade e Smoke foram incluídos, e quem derrotava Shao Kahn (em uma dificuldade mais ajustada) poderia ver os verdadeiros finais do jogo.

 

 

 

Mortal Kombat II 3.1

 

Considerada por muitos a mais completa, chegando ao mercado em janeiro de 1994. Aqui, estreou o mítico Noob Saibot, o fatality do cenário Dead Pool e o friendship de Kung Lao. Mais sangue foi adicionado ao game, pois o que estava na versão original não era o suficiente.

 

 

 

Mortal Kombat II rodava sobre uma placa com dois processadores: um TMS34010 a 6.2 MHz e um ADSP2104 a 10.2 MHz. A resolução da tela CRT era de modestas 400 x 254 pixels.

Ainda em 1994, foram lançadas as versões para consoles de Mortal Kombat II. E, se fosse para apostar em um jogo que apresentou o estilo de slasher fight no mercado de consoles domésticos, esse jogo com certeza seria Mortal Kombat.

 

 

Sega Master System

 

A Acclaim deu para a Probe Entertainment a missão de criar uma versão para o console de 8 bits da SEGA, que foi similar às lançadas para o Game Boy e Game Gear. Apenas 8 personagens estavam disponíveis (Liu Kang, Sub Zero, Kitana, Reptile, Mileena, Scorpion, Jax e Shang Tsung) e um personagem secreto (Smoke), além de três cenários (The Pit II, Goro’s Lair e Kombat Tomb) e com um aspecto audiovisual muito abaixo do original.

Os fatalities foram modificados ou reduzidos em quantidade, e os quadros de animação eram bem mais limitados. Era uma versão muito ruim, mas ao menos o pessoal do Master System recebeu sua versão. Diferente do pessoal do NES que, de forma oficial, nunca recebeu o game, mas desenvolvedores piratas decidiram fechar essa lacuna.

 

 

 

Game Boy e Game Gear

 

As versões portáteis de Mortal Kombat II eram basicamente as mesmas que a do Master System, mas em telas menores ou monocromáticas.

 

 

As duas versões contavam com um número de personagens similar (a do Game Gear contava com o Kintaro), cenários e formas de jogo. No Game Gear, os personagens ficavam um pouco maiores em proporção ao cenário, mas a jogabilidade nos dois consoles era muito parecida.

Ter o Mortal Kombat II em um videogame portátil não era pouca coisa, ainda mais considerando as limitações técnicas da época.

 

 

 

Amiga

 

A versão do amiga tinha tudo o que os demais consoles da época oferecia: número de personagens, cenários, movimentos finais, etc. Porém, ficava abaixo das versões do Mega Drive e do Super Nintendo na apresentação visual, com cores reduzidas e animações menos fluídas.

E a culpa aqui não é do hardware, mas sim porque o jogo tinha que ser compatível com todas as versões existentes do Amiga. E esse foi um grande problema na época.

 

 

 

PlayStation

 

Disponível apenas no Japão, contava com as telas de Loading (por conta da tecnologia de CD), mas que duravam pouco mais de um segundo entre uma troca de round ou ao entrar ou sair de uma luta.

Mas o principal problema dessa versão era jogar com Shang Tsung e se transformar em outro personagem, pois o jogo simplesmente congelava.

A versão do PSX era muito similar ao dos demais consoles domésticos, onde faltava algo para ter a velocidade e a fluidez das versões originais do arcade.

 

 

 

Super Nintendo ou Mega Drive?

 

Por fim, a pergunta que não quer calar: qual versão era melhor?

Lembrando que a versão mais próxima desse jogo foi a do arcade foi a de um console que poucos tiveram: o SEGA 32X.

 

 


Compartilhe