Compartilhe

Chegou o processo de desmontagem do Galaxy Fold que todo mundo queria ver.

O iFixit publicou seu processo de desmontagem completo do Samsung Galaxy Fold, relançado no mercado depois que vários problemas de design foram revelados, afetando de forma substancial a sua vida útil. Depois de várias reclamações, a Samsung aceitou a realidade, adicou o lançamento do dispositivo e decidiu resolver os problemas e melhorar o produto em alguns pontos pendentes.

Vários meses depois, o Samsung Galaxy Fold vai chegar ao mercado oficialmente em 18 de outubro de 2019. Para um dispositivo que custa quase US$ 2.000 (US$ 1.980, para ser mais preciso), é importante saber se ele é caro ou não para reparar, e se os problemas pendentes foram realmente solucionados.

Esse modelo será a ponta de lança para todo um mercado até que, dentro de dois ou três anos, o formato esteja democratizado, com uma fabricação mais simples e preços mais próximos da realidade da maioria dos usuários.

 

 

Resultados até esperados, se parar para pensar friamente…

 

 

Voltando ao processo de desmontagem do novo Galaxy Fold: ele é interessante em especial porque o iFixit teve a chance de realizar a desmontagem do modelo original, e pode assim avaliar as melhorias introduzidas pela Samsung no dispositivo. Como era de se esperar, as melhorias mais importantes estão na área da dobradiça e na tela.

A Samsung introduziu reforços nos dois componentes, buscando reduzir o estresse que as partes recebem com cada dobra, e prevenir a entrada da sujeira e poeira. Nesse sentido, se destaca especialmente a presença de uma capa de fita que cobre a dobradiça, algo que não estava presente no modelo original. Sobre a tela flexível, ela vem com um reforço metálico que aporta uma capa de rigidez e solidez considerável.

Porém, sobre o grau de reparação do Galaxy Fold, péssimas notícias. A pontuação de 2 em 10 (lembrando: quanto menor a nota, mais difícil o dispositivo é de ser restaurado) aplicada pelo iFixit confirma que o dispositivo é realmente muito difícil de ser reparado, e os argumentos para a nota são os mais diversos.

 

 

A favor, se destacam o não uso de diferentes tipos de parafusos e que vários componentes do Galaxy Fold são modulares, permitindo uma troca com relativa facilidade. Porém, contra, temos a dobradiça propensa ao desgaste, a tela flexível muito frágil e a bateria que é muito difícil de ser substituída, sem falar na união do metal e cristal no chassi encarecendo as reparações em caso de queda.

Em resumo: se você está pensando em comprar o Galaxy Fold, eu recomendo fazer um seguro que cobre o dispositivo a qualquer tipo de acidente e uma boa dose de cuidado, pois qualquer queda pode ser um desastre em todos os sentidos.

 

 

Via iFixit


Compartilhe