Compartilhe

Todo mundo comemorou a chegada do modo escuro nos principais sistemas operacionais móveis e de desktops, e nos aplicativos mais populares. Muita gente queria esse layout para reduzir a fadiga visual no uso desses dispositivos durante o horário noturo, mas principalmente par economizar alguma bateria nos telefones móveis.

Os defensores do modo escuro afirmam que existem várias vantagens associadas à mudança da cor branca para a cor negra, como a melhoria do sono, por exemplo. Alguns especialistas de saúde reforçam essa teoria e, de fato, muitas pessoas estão preocupadas com a saúde mental e física (pois a insônia afeta aos dois). Porém, nem tudo parece ser tão positivo na adoção de um layout mais escuro nos sistemas operacionais e aplicativos.

 

 

 

Modo escuro vai contra a natureza humana (é o que dizem)

 

 

Adam Engst, do site tidbits.com, afirma que “exceto em situações extraordinárias, o modo escuro não é o melhor para a nossa vista, de forma alguma. Os olhos e o cérebro humano preferem o escuro sobre o claro, e reverter isso os força a trabalhar mais para ler o texto e compreender o que estamos vendo”.

Biologicamente, nosso cérebro está treinado para responder aos estímulos de uma determinada forma. Existem poucas situações na natureza onde coisas brilhantes estão sobre fundos escuros. Por isso, nossos olhos evoluíram e foram treinados para prestar atenção em alguns elementos sobre outros ou, de forma mais específica, prestar atenção em elementos escuros sobre os elementos claros, ganhando assim o destaque natural.

Os humanos evoluíram fora de suas cavernas e abrigos, se tornando mais ativos durante o dia e dormindo durante à noite. Além disso, para o olho humano, o que realmente importa é os objetos que estão à frente, deixando os fundos literalmente em segundo plano (e por isso o efeito bokeh é tão popular), seja no caso da comida, das ferramentas, predadores, outras pessoas ou qualquer outra coisa. Tais elementos são, por definição, mais escuros que o fundo, pois estão iluminados pelo sol, ou quando se encontram em um interior, pelas luzes acesas.

Logo, por causa dessa pré-disposição biológica para uma forma previamente determinada de consumir a informação visual onde o fundo é mais escuro que o objeto que queremos ver, ou mais especificamente no caso dos textos, é preciso que o nosso cérebro faça um trabalho extra para ir contra a nossa natureza. Ou seja, ler o texto sobre um fundo escuro exige um esforço adicional que vai contra a forma natural em que os humanos consomem a informação.

Aliás, é importante deixar bem claro que você é livre para utilizar o seu dispositivo móvel e os aplicativos do jeito que você quiser, e da forma que você quiser. Apesar da natureza humana dizer uma coisa, é você quem precisa definir como é mais confortável utilizar o seu dispositivo móvel. Esse post tem como objetivo principal oferecer a informação para o amigo leitor, e não dizer qual modo você deve utilizar.

A teoria apresentada nesse post é bem lógica, e pode até fazer muito sentido. Mas não deve mudar os hábitos de milhões de usuários que vão seguir utilizando o modo escuro. Não vai ser a natureza humana que vai dizer o que é mais legal para algumas pessoas.

 

 

Via tidbits.com


Compartilhe