spectre e meltdown

As falhas de design do hardware Meltdown e Spectre não são besteiras da mídia. Elas se aproveitam da computação preditiva, técnica que os processadores usam para melhorar o seu desempenho.

Isso facilita a leitura das informações dentro do computador, para poder incluir dados bancários ou senhas, entre outras informações delicadas que os piratas cibernéticos adoram.

Praticamente todos os processadores que chegaram ao mercado nesse milênio usam a função de processamento preditivo. Muitos da década de 1990 inclusive. Ou seja, ao menso que o seu computador seja uma enorme máquina dos anos 80, você fatalmente sofre da vulnerabilidade.

O mais importante a ser destacado nesse ponto é que esse problema não afeta apenas aos processadores Intel, mas os testes só foram feitos com esses chips até o momento. É provável que chips da AMD e AMR também sejam afetados pela vulnerabilidade.

Praticamente todos os dispositivos que você conhece estão afetados por essa vulnerabilidade: desktops, laptops com Linux, Windows ou macOS, smartphones Android ou iPhone (com iOS), iPad, tablets em geral, smartwatches e qualquer dispositivo que conta com um processador.

Para resumir: (quase) qualquer gadget no mundo.

É pouco provável que um antivírus te ajude a detectar o Meltdown e o Specrtre. Por enquanto, existe uma correção para Windows, OS X, Linux e Android para o Meltdown, de modo que é fundamental que você atualize o seu equipamento o quanto antes.

Mesmo assim, muitos navegadores como Chrome, Firefox e Safari já estão recebendo atualizações de segurança para barrar os códigos maliciosos. Atualize o seu navegador o quanto antes.

Porém, o grande e verdadeiro problema é o Spectre, que não tem solução fácil. A única solução seria, teoricamente, se desfazer completamente da computação preditiva nos processadores, o que significaria uma lentidão significativa nos computadores, de aproximadamente 30%.

Em resumo: este é um dos problemas mais sérios que o mundo da tecnologia teve que enfrentar em toda a sua história.