Huawei não precisa dos Estados Unidos para vencer (taokey, Donald Trump?) | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Huawei não precisa dos Estados Unidos para vencer (taokey, Donald Trump?) | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Telefonia | Huawei não precisa dos Estados Unidos para vencer (taokey, Donald Trump?)

Huawei não precisa dos Estados Unidos para vencer (taokey, Donald Trump?)

Compartilhe

Não precisa mesmo. E, ao que tudo indica, nunca precisou.

A Huawei é, nesse momento, a segunda maior vendedora de smartphones do mundo. Superou a Apple e só está atrás da Samsung. E fez isso sem estar presente no mercado norte-americano. Acredite, amigo leitor: esse é um feito muito difícil de ser alcançado, ainda mais pelo fato que qualquer fabricante que ter acesso ao poder de compra dos clientes desse mercado.

A prova do que eu estou falando é o fato da Xiaomi dar os seus pulos para ampliar a sua participação em território norte-americano. Mas esse é um assunto para outro post.

Fato é que a Huawei não está nos Estados Unidos porque Donald Trump é um paranoico de marca maior, e acredita que a empresa trabalha lado a lado com a China nas tarefas de espionagem. Aliás, a fabricante é um dos peões de manobra de Trump para estabelecer um bloqueio comercial entre chineses e norte-americanos.

E não pense que o Brasil não pode fazer o mesmo. Marcos Pontes, Ministro da Ciência e Tecnologia, já informou que a questão sobre a permanência ou não da Huawei no Brasil depende apenas de uma pessoa: o presidente da República, Jair Bolsonaro (que cada vez mais mostra que não é exatamente um poço de bom senso).

Mesmo assim, com todos esses obstáculos, a Huawei conseguiu a façanha de vender 10 milhões de unidades da sua principal linha smartphones, a Huawei P20. São modelos caros, que entregam para a empresa uma ótima margem de lucro, e isso resultou na sua consolidação na segunda posição no mercado global.

A Huawei pode se consolidar apenas na China e na Índia, mercados gigantescos e que ainda contam com uma margem de crescimento considerável. Dessa forma, a empresa dá uma banana para os Estados Unidos (quase literalmente), e pode efetivamente alcançar a liderança do mercado de smartphones. Ainda mais pelo fato da Samsung não ser tão grande assim nos dois mercados.

Sem falar nos mercados estratégicos, como por exemplo o Canadá, o Chile e alguns outros países da Ásia, onde o poder de compra ainda é substancial.

Ou seja, a Huawei, que já abriu processo contra o governo dos Estados Unidos, pode em breve não dar mais importância para os bloqueios estabelecidos por Donald Trump, pois pode vencer mesmo com o obstáculo em forma de homem com pele laranja.


Compartilhe