Compartilhe

De acordo com a revista Reuters, nas últimas horas, piratas informáticos publicaram informações confidenciais e privadas de alguns políticos europeus, na maioria dos casos alemães, incluindo a chanceler Angela Merkel. Este já é um dos vazamentos de dados mais importantes da história da Alemanha.

O vazamento é grave, pois entre os dados publicados de forma ilegal na internet estariam endereços de e-mails, números de celulares, fotos e até capturas de chats pessoais, o que pode colocar em xeque a intimidade de vários políticos, informações confidenciais e até a segurança dos cidadãos do país.

O vazamento dos dados aconteceu através de uma conta do Twitter chamada G0d, localizada em Hamburgo. Na sua descrição incluem termos como investigação em segurança, artista ou sátira e ironia.

Não é a primeira vez que isso acontece na Alemanha. O país sofreu uma série de ataques nos últimos anos, com o claro objetivo de boicotar grandes personalidades políticas, partidos e organizações governamentais, como nos casos do CDU e do SPD em 2017 e do roubo de 16 GB de dados em 2015.

Nesse vazamento de 2019, os dados mais graves são os endereços de e-mail e um número de fax que estariam vinculados a Angela Merkel. Algo que pode ser colocado em quarentena até que as autoridades neguem tudo isso.

Também localizaram transcrições de um chat onde estariam Peter Altmaier (atual ministro da economia do governo alemão). Nos mesmos vazamentos encontraríamos material de pouca relevância, porém, privado, como contratos de carros de aluguel ou cartas do passado.

Sabemos que o ataque afetou políticos de todos os partidos políticos, com exceção da Alternativa pela Alemanha, opção populista de extrema direita. Curiosamente.

Não apenas a Alemanha, mais outros países sofreram ataques hacker que detonaram a privacidade dos políticos e das organizações que eles governam. E tudo isso é um sinal claro em como as coisas hoje estão diferentes dentro de um cenário global e conectado.

Ninguém está com a sua privacidade segura. Inclusive os políticos.


Compartilhe