Press "Enter" to skip to content
Você está em | Home | Tecnologia | GPT-4 vs GPT-3: as principais diferenças

GPT-4 vs GPT-3: as principais diferenças

Compartilhe

A OpenAI apresentou ao mundo o seu mais recente modelo de linguagem, o GPT-4, que promete melhorias significativas em relação ao seu antecessor, o GPT-3.

A grande maioria dos usuários não poderá perceber os impactos práticos do GPT-4 no ChatGPT, interface de Inteligência Artificial conversacional que utiliza esse modelo de linguagem. Bom, pelo menos não poderá fazer isso sem pagar: os usuários do ChatGPT Plus que pagam US$ 20 por mês por essa plataforma já estão experimentando a ferramenta e compartilhando as novidades.

Por conta disso, é possível desde já fazer algumas afirmações sobre tudo o que o GPT-4 tem de diferente em relação à geração anterior dessa tecnologia. E neste artigo, vou explorar algumas das principais diferenças entre os dois modelos.

 

Maior poder em uma escala menor

Embora a OpenAI tenha sido muito cautelosa na divulgação de informações detalhadas sobre o GPT-4, muitos especialistas acreditam que o novo modelo não apresentará um aumento significativo no número de parâmetros em comparação ao GPT-3. Embora o GPT-3 tenha 12 camadas e 175 bilhões de parâmetros, o GPT-4 deve superá-lo em número, mas não em uma grande diferença.

Alguns exemplos como o próprio ChatGPT já mostraram que a potência da inteligência artificial não está diretamente relacionada ao número de parâmetros utilizados no modelo. Na verdade, a arquitetura, a quantidade e a qualidade dos dados de treinamento também são fatores importantes no processo de treinamento.

 

Natureza multimodal

Uma das principais diferenças entre o GPT-4 e o GPT-3 é a sua natureza multimodal. Enquanto o GPT-3 trabalha apenas com texto, o GPT-4 será capaz de processar imagens como entrada. Isso significa que as imagens podem ser usadas para fornecer instruções visuais que podem ser transformadas em texto.

De acordo com a OpenAI, o GPT-4 é um “grande modelo multimodal que aceita entradas de imagens e texto, e produz saídas de texto” e exibe um desempenho semelhante ao humano em vários cenários acadêmicos e profissionais.

 

Qualidade da informação

 

Um dos principais desafios enfrentados pelos modelos de processamento natural do linguagem (PNL) é a precisão dos dados de treinamento, que podem ser imprecisos e resultar em informações errôneas. Para combater isso, a OpenAI utiliza algoritmos de aprendizado por reforço com feedback humano (RLHF).

Treinadores humanos utilizam esse algoritmo para ajustar os modelos impulsionados pela IA por meio de um ajuste fino altamente supervisionado. Isso ajuda a reduzir a suscetibilidade do modelo a informações errôneas e a gerar conteúdo tóxico ou tendencioso.

 

Menos alucinações

As alucinações da IA se baseiam em fornecer informações falsas, mas detalhadas, sobre um evento que não ocorreu. Embora os chatbots de grandes empresas, como Google ou Microsoft, possam cometer erros, o fato de que alucinam e inventam eventos que não ocorreram é um grande problema.

O GPT-4 é projetado para minimizar essas alucinações, tornando-o mais preciso e confiável em sua saída de texto.

 

Melhorias na geração de texto

Um dos pontos-chave em que a OpenAI focou em seu novo modelo GPT-4 é a melhoria na geração de texto para torná-lo mais natural e semelhante ao comportamento humano.

Uma das principais críticas recebidas pelo GPT-3 é que, embora seja impressionante em termos de capacidade de gerar texto coerente, muitas vezes falta sentido ou é pouco natural. Às vezes, as respostas oferecidas pelo GPT-3 são muito genéricas ou não se adequam à pergunta ou ao contexto.

Com o GPT-4, a OpenAI trabalhou para melhorar esses aspectos para que o modelo seja capaz de gerar texto mais fluido e coerente, e se adapte melhor ao contexto e à intenção do usuário.

 

Maior eficiência energética

Outra melhoria esperada com o GPT-4 é uma maior eficiência energética. O GPT-3 é conhecido por requerer uma grande quantidade de energia para funcionar, o que levou a críticas em relação ao seu impacto ambiental.

A OpenAI anunciou que trabalhou para melhorar a eficiência energética do GPT-4 e reduzir seu consumo de energia sem sacrificar seu desempenho. Isso é uma boa notícia para aqueles preocupados com o impacto ambiental da tecnologia.

 

Conclusão

Em conclusão, o GPT-4 promete ser um grande avanço na tecnologia de processamento de linguagem natural e de inteligência artificial em geral. Embora nem todos os detalhes do modelo tenham sido divulgados, as melhorias anunciadas pela OpenAI sugerem que o GPT-4 será mais eficiente, mais preciso e capaz de lidar com informações multimodais.

A melhoria na geração de texto e a redução das alucinações também são pontos a destacar, assim como o uso de algoritmos RLHF para reduzir a susceptibilidade do modelo a informações errôneas.

O GPT-4 representa um grande avanço no desenvolvimento da inteligência artificial e abre portas para novas possibilidades no processamento de linguagem natural e análise de informações multimodais.

Embora ainda haja muito a ser descoberto sobre o GPT-4, a OpenAI segue trabalhando duro para melhorar a qualidade dos seus modelos de linguagem. A adição de recursos multimodais e a utilização de feedback humano para melhorar a precisão dos dados de treinamento são os sinais do caminho que a empresa quer seguir, mostrando o horizonte a ser alcançado.

Vamos ficar de olho nos avanços dessa ferramenta, e como ela vai impactar ainda mais a nossa vida, em todos os aspectos.


Compartilhe