A Alcatel anunciou na MWC 2019 dois novos smartphones que ficam no meio do caminho entre as linhas de entrada e de linha média: os novos Alcatel 3 e Alcatel 3L.

São dois smartphones muito parecidos por dentro e por fora, mas com diferenças importantes nas especificações que ficam refletidas no seu alcance de preços. O que coincide com os dois é na grande tela com o pequeno notch (relação tela/corpo de 88%).

 

 

Alcatel 3

 

 

O modelo possui uma tela IPS LCD de 5.9 polegadas (HD+) com notch em forma de gota bem reduzido. As bordas são bem finas, mas tem uma parte inferior bem grossa, que lembra qual é a faixa de preço desse dispositivo.

No seu interior, encontramos o processador Snapdragon 439, o primeiro dessa linha a contar com 12 nanômetros, com oito núcleos de até 2.0 GHz. Está disponível nas versões 3 GB RAM + 32 GB ou 4 GB RAM + 64 GB.

Na parte fotográfica, o notch abriga um sensor de 8 MP, e na parte traseira temos uma câmera traseira dupla de 13 MP + 5 MP com bokeh em tempo real, modo retrato, Google Lens em temo real e emojis com AR.

 

 

Alcatel 3L

 

 

 

O L do nome faz referência ao ‘Lite’, ou versão levemente inferior. Ele basicamente é o Alcatel 3 que teve suas especificações reduzidas para entregar um preço reduzido.

Por fora, poucas diferenças, pois conta com a mesma tela HD+ de 5.9 polegadas com notch, mas não há leitor de digitais na parte traseira, onde a segurança fica nas mãos do reconhecimento facial da Alcatel, o Face Key.

Seu processador é o Snapdragon 429 quad-core a 2.0 GHz, acompanhado de 2 GB RAM e 16 GB de armazenamento (expansíveis via microSD). Todas as demais especificações são rigorosamente as mesmas do Alcatel 3.

Os novos Alcatel 3 e Alcatel 3L estarão disponíveis para venda no mercado europeu no segundo trimestre de 2019. O Alcatel 3 na versão com 3 GB RAM + 32 GB custará 159 euros; na versão com 4 GB RAM + 64 GB custará 189 euros. Já o Alcatel 3L na sua única versão com 2 GB RAM + 16 GB custará 139 euros.

Não há previsão de lançamento para esses smartphones no Brasil, por enquanto.