Arquivo para a tag: leitor de digitais

Coolpad Torino S, um smartphone com 4.7 polegadas e leitor de digitais

by

Coolpad Torino S

A fabricante chinesa Coolpad apresenta o seu novo smartphone, o Coolpad Torino S, com design simples, tamanho de tela abaixo das 5 polegadas e sensor de digitais na parte traseira.

O produto promete ser um pouco mais potente do que os antecessores, mas ainda dentro da linha média-baixa. Desse modo, o Coolpad Torino S possui uma tela de 4.7 polegadas, com 7.9 mm de espessura e peso de 119 gramas. Seu design mostra uma parte frontal simétrica com uma traseira ligeiramente curva, com um alto-falante na parte inferior, além do leitor de digitais, que é uma novidade entre os dispositivos da marca.

Coolpad Torino S-04

Sua tela de 4.7 polegadas possui resolução de 1280 x 720 pixels (312 ppp), e esconde um processador Snapdragon 410 quad-core de 1.2 GHz, 2 GB de RAM, 16 GB de armazenamento (expansíveis via microSD de até 32 GB), sistema operacional Android 5.1 Lollipop com interface CoolUI 8.0, conectividade LTE Cat. 4, bateria de 1.800 mAh, câmera traseira de 8 MP (f/2.0) com foco automático e flash LED, câmera frontal de 5 MP (f/2.2), dimensões de 139 x 67.8 x 7.9 mm e as já citadas 119 gramas de peso.

Coolpad Torino S-03

O Coolpad Torino S se encaixa perfeitamente na faixa de modelos de linha média-baixa mas sem se destacar muito, com um processador muito básico (de 2014) e especificações que buscam o baixo custo. Os sensores de infravermelho e o leitor de digitais são diferenciais que não vemos em muitos dos modelos com especificações similares.

Coolpad Torino S-02

Logo, o modelo é uma opção cômoda por sua dimensões, sendo um intermediário interessante para quem busca algo abaixo das cinco polegadas. Seu preço sugerido é de 199 euros.

Via Coolpad

Moto G4 pode contar com tela de 5.5 polegadas (1080p) e leitor de digitais

by

moto-g4-leak

Os últimos vazamentos indicam que o Moto G4 (2016) pode vir em dois modelos (standard e plus), sendo que um deles contará com uma tela de 5.5 polegadas (1080p) e leitor de digitais.

Não foi especificado se tela de 5.5 polegadas será do modelo standard ou do modelo Plus do Moto G4, mas tudo indica que será do modelo maior, uma vez que, historicamente, o Moto G nunca foi um phablet. Seria um salto muito grande imaginar que esse modelo de linha média contaria com uma tela ainda maior, ainda mais com suas especificações técnicas teoricamente mais comedidas.

O Moto G se tornou um dos smartphones mais conhecidos do mercado e o mais reconhecível da Motorola (agora, Lenovo). Apesar de não ser um smartphone top de linha, conseguiu chamar a atenção por conta de sua elevada relação custo-benefício. E isso acontece desde a primeira versão do dispositivo.

Com o passar do tempo, o Moto G foi melhorando suas características, mas tentando manter a sua fórmula de sucesso, combinada com uma interface Android bem limpa em linhas gerais. Ou seja, é muito natural que os consumidores já fiquem de olho no Moto G4, que pode ser anunciado no evento marcado no dia 17 de março, ou no dia 9 ve junho, como é especulado pelos veículos especializados.

Posible-carcasa-del-Moto-G4

Outra possibilidade é que no dia 9 de junho a Lenovo (em parceria com a Google) apresente o primeiro modelo comercial do Project Tango, smartphone que utiliza uma combinação de câmeras e sensores para produzir mapas 3D utilizando smartphones e tablets.

Via GSM ArenaPhoneArena

A maior vulnerabilidade do seu smartphone é o seu polegar

by

iphone-5s-fingerprint-scanner

Cinco minutos bastam. Além da pasta utilizada pelos dentistas para fazer moldes, um pouco de plastilina e uma bela dose de paciência. Com esses ingredientes é possível desbloquear um iPhone ou um Android protegido pela impressão digital do seu proprietário.

Obviamente, o método descrito aqui requer quase que a obrigatoriedade ou a participação à força da vítima. Mas se trata de apenas um velho truque para despertar o interesse de muita gente. A Vkansee, empresa especializada em tecnologia biométrica, mostra essa e muitas outras formas de se obter a impressão digital de uma pessoa, indo dos meios mais sofisticados até os mais ordinários e simples.

Por exemplo, em 2014, uma empresa de segurança chamada Starbug chegou a recriar a digital do ministro da defesa da Alemanha, a partir de uma foto em alta definição de sua mão, dando forma à mesma com uma impressora 3D. Essa é só umas das formas descritas como minimamente eficiente para promover o desbloqueio de um dispositivo, sem a presença do polegar do seu proprietário.

O mais interessante disso tudo é ver essa teoria sendo colocada em prática, através do vídeo no final do post. Utilizar uma impressão digital para proteger o smartphone pode ser mais cômodo do que utilizar uma senha um desenho de segurança. Porém, de forma definitiva, está bem longe de ser o meio mais seguro para o usuário e seu dispositivo.

Na verdade, todos os métodos para proteger o smartphone são falíveis. Tudo o que temos de tecnologia hoje serve para reduzir as chances de violação de dados, mas não dão garantia de que o mesmo não será violado. A tecnologia existe para as duas pontas do processo. É quase um “pau que dá em Chico, dá em Francisco”, mas com a ajuda de uma impressora 3D e outros aparatos tecnológicos.

Vídeo demonstrativo a seguir.

 

Via The Verge

Xiaomi Redmi 3 com leitor de digitais a caminho

by

xiaomi-redmi-3-tenaa

O Redmi 3, modelo mais econômico da Xiaomi, está com uma nova versão a caminho, e apesar de contar com suas limitações típicas de modelo de entrada, pode contar com um recurso que se torna tendência no mundo mobile: o leitor de digitais.

Como vemos, se trata praticamente de um clone do Xiaomi Redmi 3 original, com a diferença de contar com uma bateria de apenas 3.000 mAh (contra 4.100 mAh do modelo original). É um vazamento sem maiores detalhes, mas tudo indica que o espaço interno do leitor de digitais obrigou esta redução da bateria do dispositivo.

Além disso, essa nova versão do Xiaomi Redmi 3 deve contar com:

– Processador octa-core de 1.5 GHz
– Tela de 5 polegadas (HD, 1280 x 720 pixels)
– 2 GB de RAM
– 16 GB de armazenamento
– 3.000 mAh de bateria
– 144 gramas
– Dimensões de 139.3 x 69.6 x 8.5 mm
– Leitor de digitais na parte traseira
– Preço de aproximadamente US$ 105 (já convertidos)

Não sabemos se esse modelo vai manter o seu nome original, ou se será uma variante com o sobrenome Prime, com algumas alternativas apresentadas pela Xiaomi em outras oportunidades. O novo Xiaomi Redmi 3 não tem data para chegar ao mercado, mas uma vez que o modelo passou pelo TENAA, supomos que ele não deve demorar para ser apresentado.

Por enquanto, vá pensando o que vai compensar mais para você: um smartphone com maior bateria com um smartphone que te permita realizar pagamentos.

Via GSMArena

É possível burlar o sensor de digitais de um smartphone com uma impressora

by

hack-sensor-impressora

A Universidade de Michgan descobriu uma forma de superar o leitor de digitais do smartphone com uma impressora baseada em injeção de tinta.

Aqui, mais uma vez vemos como uma solução pensada na segurança de um dispositivo pode ser superado com relativa facilidade. Já vimos isso antes no iPhone protegido com o sistema Touch ID, com o uso da plastilina e um pouco de paciência.

O sistema é bem simples: basta imprimir a digital e aplicá-la sobre o leitor de digital do smartphone, ainda que há um pequeno detalhe que adiciona um toque de distinção ao processo, que é a utilização da tinta condutiva na impressão.

O resultado pode ser visto no vídeo a seguir. O leitor de digitais reconhece a impressão como real, e desbloqueia o smartphone,  sem maiores complicações.

 

Via SoftpediaGizmodoYouTube (Michigan State University)

 

UMi Hammer S, um smartphone barato com leitor de digitais e USB Type-C

by

UMi Hammer S

O UMi Hammer S é mais um smartphone chinês que chama a atenção por ser barato e cheio de funcionalidades interessantes. Nesse caso, a integração de um leitor de digitais e o novo USB Type-C em um dispositivo que custará apenas US$ 129,99, quando chegar ao mercado em agosto.

Suas especificações são igualmente interessantes. O UMi Hammer S conta com uma tela de 5.5 polegadas, processador MediaTek MT6735 e 2 GB de RAM. Por um conjunto desses, fatalmente pagaríamos US$ 500 ou mais se fosse oferecido pelos grandes fabricantes do setor.

A má notícia é que não será tão fácil encontrar um desses no mercado, já que o modelo só estará disponível em locais muito distantes dos canais mais habituais. A não ser que ele vire um grande sucesso, e os importadores considerem o UMi Hammer S um grande negócio. Vamos torcer.

Via GizChinaUMi

ASUS ZenFone 3 vai contar com sensor de digitais

by

asus-smartphone

O CEO da ASUS, Jerry Chen, confirmou para o ChinaTimes que o futuro ZenFone 3 contará com um leitor de digitais. O modelo deve ser apresentado no começo de 2016.

Antes do ZenFone 3, é provável que algum modelo variante do recém anunciado ZenFone 2 seja apresentado, que já integraria essa tecnologia. Um dos objetivos na inclusão desse sensor seria o pagamento através de dispositivos móveis, proposta que alguns fabricantes já implementaram e que deve se tornar tendência no segmento. Vale lembrar que um sensor de digitais não é algo indispensável para o recurso de pagamento pelo smartphone, mas facilita muito na hora da autentificação, além de reforçar a segurança dos dados do usuário.

Ainda não sabemos quando veremos os primeiros smartphones da ASUS com os leitores de digitais. O que é certo é que o ZenFone 3 vai receber. Mas só no ano que vem.

Via Geeky Gadgets, GforGames

Mastercard insere um sensor de digitais em um cartão de crédito

by

650_1000_zwipe-1

A Mastercard, em parceria com a Zwipe, anunciou que está realizando testes pilotos com cartões de crédito com sistema ‘contactless’, com um sensor de digitais integrado, que identificaria o usuário na transação.

A primeira geração desses cartões está em testes na Noruega, e são modelos mais espessos do que os cartões que carregamos na nossa carteira. Mas lembrando que esse ainda é um protótipo, e a Mastercard garante que o produto final não vai alterar o design do cartão convencional, exceto pelo fato do sensor que ocupará mais espaço.

Esses cartões eliminam a senha como cartão de verificação, confirmando se o dedo verificado corresponde ao do usuário cadastrado na memória do cartão. A pergunta que fica é: esse dado armazenado da informação do usuário pode ser manipulado de alguma forma?

650_1000_zwipe-2

A Mastercard espera poder oferecer a versão final desse cartão para os seus clientes no começo de 2015. Ao lado do Apple Pay, os sensores de digitais são mais uma opção na hora de verificar os pagamentos. O que é algo sempre bem vindo. É sempre bom ter sempre mais de uma opção de escolha.

Via Pocket Lint

Huawei pode incluir um leitor de digitais no futuro Honor 6

by

huawei-honor-6-lectorhuellas

A Huawei tem um evento programado para o dia 24 de junho em Pequim (China), onde é esperado que aconteça o anúncio de um novo dispositivo, o Honor 6 (que também pode se chamar Glory 6). Como você já pode imaginar, nada foi confirmado sobre o produto, mas alguns veículos apostam que ele poderá contar com um processador octa-core (Kirin 920 a 1.3 GHz) fabricado pela Hisense e um leitor de digitais nas suas costas.

Esse último detalhe vem acompanhado da imagem do topo desse post, onde se observa um chamativo quadrado abaixo do sesnsor de câmera. Já confirmaram que não é um botão de liga/desliga, no estilo do LG G2/G3, uma vez que o modelo da Huawei já conta com esse botão na sua lateral.

Além de tal especificação já comentada – que começa a se transformar em uma constante nos modelos top de linha -, o smartphone receberia ainda 3 GB de RAM, e tela de 5 polegadas (1080p).

huawei-honor-6-pantalla

Ao julgar pelas imagens, seu design frontal parece ser bem atraente, com uma tela com bordas bem estreitas, que ajudam a obter uma maior sensação de amplitude. As antes comentadas costas do aparelho se mostram em uma brilhante cor branca, com um discreto acabamento.

No próximo dia 24 de junho, poderemos conhecer muito mais sobre esse equipamento, incluindo sua data de comercialização e preço.

huawei-honor-6-lateral-filtrado

Via SlashGear

O Meizu MX4 pode entrar na moda do leitor de digitais

by

meizu-mx4

Jack Wong, CEO da Meizu, que adora participar dos fóruns online oficiais da empresa, voltou a dar o ar da graça para falar de um tema interessante: a inclusão de um leitor de digitais no futuro Meizu MX4.

Esse sensor parece ser algo certo no futuro terminal top de linha do fabricante chines, e segundo os dados compartilhados por Wang, o fabricante desses sensores é de fora da China. O desbloqueio do dispositivo também permitiria ativar os perfis de usuários com este sistema de identificação.

Como outros dispositivos atuais, o Meizu MX4 vai contar com uma tela de 5.5 polegadas, com reasolução de1.536 x 2.560 pixels em pelo menos uma das versões. A outra versão terá tela de 5 polegadas com resolução Full HD, e o processador presente nos dois modelos deve ser o Qualcomm Snapdragon 805.

O Meizu MX4 tem o seu lançamento estimado para o mês de agosto, e o preço especulado para o dispositivo fica em torno de 290 euros. A versão “Ultimate” do smartphone deve custar 350 euros.

Via GizChina

Leitor de digitais do Galaxy S5 é vulnerável ao mesmo hack do iPhone 5s

by

leitor-digitais-galaxy-s5

Parece uma piada pronta, mas é bem possível que muitos interpretem essa notícia como uma “prova de acusação #17” a favor da Apple. De qualquer forma, uma das novidades do Samsung Galaxy S5 é o seu leitor de digitais, que atua como sistema de autenticação e desbloqueio do sistema. E muitos se questionaram sobre a segurança desse recurso. Pois bem, temos aqui uma das respostas.

Quando o iPhone 5s apresentou a sua tecnologia TouchID, não demorou muito para que um grupo de hackers burlasse a proteção imposta por esse leitor de digitais. Agora, esse mesmo grupo demonstra que o hack utilizado com o smartphone da Apple serve também para burlar a segurança do leitor de digitais do Galaxy S5.

O hack se baseia no processo de fotografar uma digital recente, que pode ser encontrada em um copo recém utilizado, onde através de diversas técnicas de laboratório, seria possível transferir essa imagem e imprimir em um material especial, que seria capaz de simular a digital.

Apesar de não ser uma tarefa simples, qualquer pessoa com um pouco de paciência e com o material necessário pode obter sucesso em superar as barreiras impostas pelos dois sistemas.

Os pesquisadores indicam que o risco é ainda maior com o Galaxy S5, já que o dispositivo não faz uso de uma senha para confirmar o acesso, nem mesmo depois de uma reinicialização. Isso, somado ao fato que o smartphone da Samsung permite os pagamentos via PayPal através do leitor de digitais, fazem com que os riscos do uso dessa tecnologia sejam maiores do que todos imaginavam.

Nota do editor: até nisso, Samsung? (para bom entendedor…).

 

Via 9to5Google

Leitores de digitais do Galaxy S5 e do iPhone 5s se enfrentam (em vídeo)

by

iPhone-Galaxy-s5-huellas

O usuário iCrackUriDevice publicou em seu canal de vídeos no YouTube um vídeo comparativo entre os leitores de digitais presentes em dois dos smartphones top de linha de maior destaque do mercado, o Samsung Galax S5 e o Apple iPhone 5s.

Tal como você pode conferir no vídeo a seguir, a opção implementada pela Samsung é mais incômoda do que aquela usada pela Apple, já que o leitor requer o deslizar do dedo na orientação vertical, sem girar muito e necessitando sempre das duas mãos para completar a ação. Já o dispositivo com iOS oferece um grande desempenho na hora de desbloquear a tela, independente da posição do smartphone.

Esses são detalhes que – muito provavelmente – podem não pesar muito para um usuário mais experiente, mas essa pequena falta de usabilidade pode efetivamente fazer com que uma função que os fabricantes querem que fique em evidência entre os usuários simplesmente caia no esquecimento.

Vídeo a seguir.

 

Via 9to5Mac

Ultra Power Saving e leitor de digitais: veja como funciona essas duas novidades do Galaxy S5

by

leitor-de-digitais-galaxys5

O Samsung Galaxy S5 trouxe algumas novas funcionalidades, como uma câmera com foco automático de apenas 0.3 segundo, ou o medidor de pulsações. Nesse post, vamos mostrar com mais detalhes outras duas novidades do novo smartphone top de linha dos coreanos: o leitor de digitais e o modo Ultra Power Saving.

Começando pelo leitor de digitais. Segundo o pessoal do Gizmodo, a sua configuração é simples, e o reconhecimento da digital é feita em uma fração de segundo. Sua configuração pode ser feita em um minuto e meio, e é necessário introduzir até oito vezes (!) a sua digital para que o sistema a memorize.

Depois, na seção de ajustes, é possível escolher qual é a função que você deseja utilizar a identificação biométrica. Uma das sua opções mais interessantes é utilizar esse método para realizar pagamentos via PayPal. Também é possível adicionar até três usuários para serem identificados com o mesmo smartphone.

Em resumo: mesmo que digam “ah, mas já vimos isso no iPhone 5s…”, ao que tudo indica, no Galaxy S5 ele tende a fazer mais (e melhor) do que simplesmente desbloquear a tela do dispositivo.

 

PowerSavingMode

A segunda novidade do Galaxy S5 abordada nesse post é o Ultra Power Saving Mode, ou “modo de ultra economia de energia”, em uma tradução livre.

O recurso aproveita o fato da tela do smartphone contar com a tecnologia AMOLED para trocar a imagem da tela de colorido para branco e preto, sempre e quando a bateria estiver em uma carga mínima (de acordo com a Samsung, 10%), além de desligar todos os serviços considerados não essenciais que estão funcionando no plano de fundo do sistema operacional.

Segundo a Samsung, tais medidas podem fazer com que o Galaxy S5 sobreviva por até mais 24 horas durante os últimos 10% de carga de bateria, antes de você precisar recorrer ao carregador.

 

Fujitsu quer colocar a moda dos identificadores biométricos nos tablets, com o Arrows Tab FJT21

by

fujitsu-arrows-tab-fjt21

A Fujitsu anunciou no Japão um novo tablet, o Arrows Tab FJT21, que se destaca por ser um dos poucos tablets do mercado a contar com um identificador biométrico.

Estamos diante de um modelo com tela de 10.1 polegadas, com sistema operacional Android 4.2 Jelly Bean, e que usa do já citado sensor para tirar o máximo de proveito do suporte multiusuário do sistema operacional da Google, podendo por exemplo iniciar uma seção de uso com um simples deslizar do dedo. Além disso, vários membros da família podem utilizar o dispositivo sem riscos de incidentes de violação de dados ou utilização de aplicativos de forma não autorizada.

Com esse complemento, é possível também a criação de um perfil de usuário convidado mais personalizado, assim como acessar um modo mais limitado, pensado nas crianças.

Deixando um pouco de lado o identificador, o tablet conta com uma tela LCD de 2560 x 1600 pixels de resolução, com a película Gorilla Glass 3, processador Qualcomm Snapdragon 800 de 2.2 GHz, câmera traseira de 8 megapixels, câmera frontal de 1.3 megapixels, até 64 GB de armazenamento interno e um módulo para conexão nas redes LTE.

Por enquanto, ele está disponível apenas para a operadora japonesa KDDI até o mês de novembro. Não há previsão de lançamento para outros mercados.

Via Engadget

Como o Chaos Computer Club conseguiu burlar o Touch ID da Apple?

by

iphone-huella-dactilar

Ok. Não é possível acessar os dados do iPhone 5s com um dedo cortado. Porém, se você tem em sua casa uma boa impressora 3D, as coisas começam a mudar de figura. O pessoal do Chaos Computer Club, a mais popular associação hacker da Europa, conseguiu burlar o sistema de identificação de digitais do smartphone (o Touch ID) com um método relativamente simples. Isso é, simples naquelas…

Starbug, criador do hack, utilizou uma técnica revelada em 2004 para enganar os identificadores biométricos muito menos sofisticados que o Touch ID. De forma mais concreta, para enganar o sensor é necessário uma fotografia da digital do dono do telefone (algo que não é tão simples ou comum de se obter), que é registrada com a ajuda de uma superfície de cristal de 2.400 DPI (a pergunta que fica é: a própria tela do smartphone serve?), para posteriormente imprimir essa imagem a 1.200 DPI em uma impressora laser. Com isso, vamos criar uma película de látex com o relevo da já citada impressão digital, que é o que vai permitir o desbloqueio do dispositivo.

Não é uma solução tão moderna e elegante como os gadgets que Ethan Hunt ou James Bond utilizam em seus filmes, mas é uma solução relativamente simples, barata e funcional. Tá, não é tão simples pelos materiais envolvidos, e pelo fato de ser bizarro as pessoas tirarem fotos das digitais de outras. Mas isso não quer dizer que alguém, em algum momento, não pode aperfeiçoar o sistema, a ponto de formar a sua digital apenas com a impressão digital em um objeto?

Mesmo sendo algo muito difícil de acontecer, ainda assim, é possível. A seguir, o vídeo que mostra o processo em detalhes.

 
Via Chaos Computer Club (1)
Via Chaos Computer Club (2)

Manual do LG G2 vaza na web, e confirma a presença do nano-SIM e a ausência do leitor de digitais

by

lgg2-manual-lead.jpg.pagespeed.ce.gGmLydVN62

Há ocasiões que a imaginação humana acaba pregando peças, e com o LG G2 isso não foi diferente. Caso você se lembre, o futuro lançamento da fabricante asiática esconde na sua parte traseira um desconhecido botão, que lembrava um leitor de digitais. Pois é. Escondia.

Segundo o manual do produto, que vazou na web graças ao pessoal do NowWhereElese.fr, podemos ver que o tal botão nada mais é do que um botão de liga/desliga. Deixando de lado a comodidade da localização do botão, o documento esclarece também outras dúvidas sobre o dispositivo, uma vez que ele especifica o uso dos chips nano-SIM, assim como de cartões microSD para expansão de memória, e uma bateria removível de 2.610 mAh.

Para ler todo o material publicado pelo NowWhereElse.fr, clique aqui.

[periféricos] LaCie Rugged Safe, o disco rígido a prova de pancadas, golpes e intrusos

by

A LaCie apresenta um novo disco rígido portátil, que promete oferecer segurança e alta resistência de forma equilibrada. O novo Rugged Safe se apresenta como a solução ideal para todos aqueles que se preocupam em proteger seus dados de possíveis intrusos, oferecendo leitor de digitais (configuráveis para até 10 usuários diferentes), e ao mesmo tempo temem pela integridade física de seu disco, incluindo uma carcaça ultra-resistente.

O dispositivos de armazenamento conta com codificação de hardware AES 128 bits, e conta com portas USB 2.0 e FireWire 800/400. Compatível tanto como Windows como com Mac, o LaCie Rugged Safe está a venda na loja online do fabricante, com capacidade de 500 GB, por um preço de US$ 189. Em breve deve estar disponível um modelo de 1 TB, com preço de US$ 299.

Fonte