elétrica

 

O chefe da equipe Dorna, Carmelo Ezpeleta, confirmou que existem planos para criar na MotoGP uma categoria completamente elétrica, que deve começar a funcionar na temporada de 2019.

Seriam motos capazes de atingir a velocidade máxima de 200 quilômetros por hora, o que é menos do que a velocidade máxima da Moto 3. Mesmo assim, é um compeço, de um cenário que deve evoluir.

 

 

Um grande problema nos veículos elétricos é a sua autonomia de bateria. A corrida aqui não poderia ter mais que dez voltas em média, sendo consideravelmente menores do que em qualquer uma das categorias existentes.

Nomes não são revelados, mas essas corridas devem contar com 18 motos, com quatro fabricantes diferentes. A ideia é que a categoria tenha provas em cinco circuitos, e não em uma temporada completa.

A organização da categoria gostaria que as baterias das motos sejam carregadas por painéis solares no lugar dos geradores utilizado na Fórmula E.

Mas antes de virar uma categoria da Moto GP, as motos precisam ser testadas em várias situações e testes de avaliação, com a recarga acontecendo entre as corridas, e não durante as mesmas.

É a tendência do futuro ver as categorias de esportes a motor, apostando em um formato mais eficiente.