Nicolas Touchard, vice-presidente de marketing do DxOMark Labs, revelou em recente entrevista que recebeu ofertas de pagamento em dinheiro “em diversas oportunidades”, tanto por parte de fabricantes de smartphones como de câmeras, para que alguns dos seus dispositivos fossem analisados por eles.

Touchard explica que isso não foi visto como um suborno, mas sim uma forma de compensação por parte de fabricantes que nunca haviam trabalhado com a DxOMark, e que não sabia como eles operavam. Uma vez esclarecidas as bases de operação, nenhum fabricante insistiu na estratégia.

A DxOMark alega que nunca aceitou dinheiro para realizar uma análise, e que não fará isso no futuro. A empresa conta com o seu próprio calendário de análise, e que não são obrigado a realizar reviews que não querem e que não querem ser obrigados no futuro.

A DxOMark vai continuar com suas análises de câmeras, e não vai cobrar por isso. Porém, os fabricantes podem contratar os seus serviços de consultoria, ou comprar a sua ferramenta modular de configuração laboratorial, a DxO Analyzer, para calcular a pontuação por conta própria.

Hoje, a DxOMark conta com cinco laboratórios para testes dos dispositivos. As análises podem levar até dez dias, onde metade do tempo é gasto registrando fotos, e a outra metade analisando as imagens. Dada a complexidade de cada análise, não é possível avaliar cada novo smartphone que chega ao mercado.

 

Via Android Headlines