Compartilhe

Parabéns, YouTube! Você conseguiu, e em tempo recorde!

Quebrar um recorde na sua própria plataforma deveria ser algo positivo. Deveria. O problema é quando o recorde é justamente ter o vídeo mais odiado da história da sua própria plataforma. E o YouTube acabou de conseguir essa façanha.

Os números crescentes indicavam que isso ia acontecer muito rapidamente, já que o vídeo do YouTube Rewind 2018 acumulou dislikes a passos gigantescos. Finalmente, todos os prognósticos foram confirmados, e o vídeo de resumo de 2018 na plataforma de streaming mais popular do planeta simplesmente atropelou o antigo líder mundial de ódio coletivo online, o videoclipe da música Baby de Justin Bieber.

 

 

Mais de 10 milhões de dislikes

 

 

O YouTube Rewind 2018 já conta com mais de 10 milhões de dislikes, enquanto que o vídeo de Justin Bieber está na casa de 9,9 milhões de dislikes.

Muitos estão se perguntando: por que este vídeo causou tanta repulsa por parte dos usuários?

Marques Brownlee (aka MKBHD), um dos youtubers mais importantes do planeta (com um papel muito importante no Rewind 2018), publicou um vídeo onde ele tenta explicar a sua versão dos fatos.

Para ele, o YouTube está muito mais preocupado em mostrar tudo o que tem de ‘bonito e limpo’ na plataforma para os anunciantes, omitindo pessoas, tendências e vídeos que realmente foram importantes ao longo de 2018.

O próprio MKBHD afirma que os últimos Rewinds apostaram em uma montagem excessiva, tentando condensar várias músicas, pessoas e momentos em um único vídeo.

 

 

A comparação fica mais clara quando olhamos para o Rewind de 2011, que apresenta uma pessoa (Rebecca Black), dura pouco mais de dois minutos, e simplesmente apresenta o Top 10 do ano, que é muito mais fiel com a realidade dos usuários da plataforma naquela época.

 

 

O que está bem claro nesse momento é que a comunidade do YouTube deu as costas para o Rewind de tal forma, que é quase certo que a Google vai precisar apostar em outro formato de vídeo promocional em 2019. O que era para ser um marketing positivo se transformou em um grande mico, que agora vai ser difícil de ser apagado.

 

Via LikesCounter


Compartilhe