YouTube pode eliminar a sua conta se você não for “economicamente viável” | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia YouTube pode eliminar a sua conta se você não for “economicamente viável” | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Internet | YouTube pode eliminar a sua conta se você não for “economicamente viável”

YouTube pode eliminar a sua conta se você não for “economicamente viável”

Compartilhe

O YouTube alterou os seus termos de serviço para contas e alguns criadores de conteúdo começaram a se preocupar com as mudanças para o futuro. O novo texto entra em vigor em 10 de dezembro de 2019, e no item “Suspensão e cancelamento de conta”, o subtítulo “Cancelamentos do YouTube por mudanças de serviço” tem o item a seguir:

“O YouTube pode cancelar o seu acesso ou o acesso de sua conta do Google em todo ou parte do serviço se o YouTube entender, em seu exclusivo critério, que a prestação do serviço já não é comercialmente viável”.

 

 

Sobre a suspensão ou eliminação de conta

 

 

O usuário será notificado sobre a razão para a suspensão ou eliminação da conta, exceto quando:

– O YouTube entende que você está violando a lei, o que represente um risco para o YouTube e seus afiliados;
– Que o YouTube considere que você está comprometendo uma investigação ou a integridade ou operação do serviço;
– Que o YouTube considere que você causaria danos a qualquer usuário ou terceiro, ao próprio YouTube ou aos seus afiliados.

 

Nos últimos dias, o YouTube enviou vários e-mails notificando sobre os novos termos de serviço. O texto do e-mail resumia atualização como uma forma para deixar os termos mais simples e de fácil compreensão. porém, as novas cláusulas são confusas e não mencionadas no e-mail.

Na prática, se considerarmos os termos tal e como eles foram redigidos, o YouTube tem plenos poderes para eliminar uma conta que não gera receita suficiente. Também não está claro sobre o que acontece com os usuários que não enviam conteúdos para a plataforma (são apenas espectadores), que é a grande maioria.

Os termos se aplicam a qualquer pessoa que possui uma conta no YouTube, e não apenas aos criadores de conteúdo. A linguagem utilizada pode indicar que um usuário que assiste a muito conteúdo mas não necessariamente monetiza também pode ter a sua conta eliminada.

Os termos podem indicar que o YouTube se reserva a possibilidade de eliminar usuários e canais que difundem discursos de ódio ou outra retórica violenta, pois isso também não é comercialmente viável para a plataforma. Porém, a redação dos termos deveria ser mais explícita ao definir o que realmente significa essa atualização nas regras.

É preciso levar em consideração que os termos estabelecem de forma específica que a empresa TAMBÉM pode cancelar a conta Google de um usuário, ou seja, em todos os demais serviços se aquele usuário não é comercialmente viável na plataforma de vídeo.

O assunto já gera polêmica. As reclamações se acumulam, e alguns acreditam que esse é um movimento para o YouTube favorecer as contas maiores e mais rentáveis. Em 2018, a plataforma mudou a sua política de monetização, excluindo muitos dos criadores menores, onde os padrões de monetização subiram, entregando assim vantagens adicionais para as contas com mais de 10.000 inscritos.

A cláusula explica que, quando o seu acesso é eliminado, naquilo que é considerado como “razoavelmente possível”, você terá tempo suficiente para exportar o conteúdo enviado para o YouTube. Você até pode recorre da decisão, caso entenda que a sua conta foi eliminada por um erro, enviando para o YouTube este formulário de apelação devidamente preenchido.

O que exatamente o YouTube considera como algo “comercialmente viável” ou não é algo que só o próprio YouTube sabe nesse momento, e catalogar um canal como tal é algo que fica sob sua única decisão, como dá a entender os seus novos termos de serviço. Só o tempo vai dizer como essa nova norma vai se materializar na realidade prática de todos.

O Google deve esclarecer a redação desses termos antes que os mesmos entrem em vigor em dezembro.

 

Via YouTube


Compartilhe