Compartilhe

Google e Apple estão tretando faz tempo. A briga pela presença de aplicativos da gigante de Mountain View nas plataformas da gigante de Cupertino vem de longa data, e ferramentas como Google Mapas e YouTube contam com um histórico de funcionamento problemático no iPhone.

E parece que temos um novo capítulo dessa relação difícil começando com a chegada do iOS 14.

O recurso Picture in Picture (PiP) no iOS 14 convida aos usuários do iPhone a, em teoria, abrir uma janela de vídeo enquanto conversa com a paquera no WhatsApp. E o YouTube se encaixa como uma luva na ideia do “abrir uma janela de vídeo”. Porém, vários usuários dos dispositivos da Apple afirmam que, pelo menos nesses primeiros momentos de vida do novo sistema operacional móvel, isso não é possível.

O que está acontecendo? Por que não posso ver o novo vídeo do Metallica enquanto falo sobre terapias alternativas com a minha mãe no WhatsApp empunhando um iPhone 11 Pro Max de 256 GB de armazenamento (que eu não tenho, porque eu não sou rico)?

 

 

 

Boicote ou defesa de um modelo de negócio?

 

 

Segundo o site AppleInsider, o YouTube bloqueou o PiP para os usuários que não contam com uma conta Premium (paga) do serviço. Porém, nas primeiras horas de vida do iOS 14, o recurso estava disponível normalmente, para qualquer pessoa.

Além disso, usuários de contas gratuitas afirmam que o recurso está funcionando nos vídeos do YouTube que estão inseridos em sites de terceiros, mesmo com o bloqueio por parte do Google. Logo, quem tem iPhone com iOS 14 ainda pode ter o PiP nos vídeos dentro de outros sites.

Tá, o PiP do iOS 14 não está disponível apenas para a reprodução de vídeos. Quem vai usar o Facetime também pode se valer dos benefícios da funcionalidade. Porém, ele é perfeito para o uso com o YouTube, que é a principal plataforma de vídeo on demand da internet. Era um dos recursos mais esperados pelos usuários do iPhone, mas parece que Google decidiu jogar um balde de água gelada em cima da maçã da galera.

Por outro lado, é importante lembrar qual é o lado do Google nessa história, e tentar pensar que isso está acontecendo não por perseguição à Apple, mas pela defesa do seu modelo de negócio.

O Google sempre deixou bem claro qual era o seu foco na hora de tentar ganhar assinantes ou clientes que estivessem dispostos a pagar para consumir conteúdos na plataforma: se você quer ter mais recursos do YouTube, ou seja, escutar músicas de fundo enquanto realiza outras tarefas no smartphone e ter o PiP no dispositivo, você precisa pagar por isso.

Ou seja, liberar o PiP no iOS 14 de forma indiscriminada poderia afetar sensivelmente a rentabilidade do YouTube, já que entrega de graça um dos trunfos do plano pago da plataforma de vídeos.

O Google não se pronunciou sobre o assunto até o momento em que esse post foi produzido, de modo que ainda pairam dúvidas se esse problema foi intencional ou acidental. Porém, levando em conta que tal limitação acontece quando os usuários tentam utilizar o aplicativo do YouTube para o iOS 14, mas não quando são acessados os vídeos a partir de sites de terceiros, tudo indica que o bloqueio foi estabelecido pelo aplicativo de streaming, o que indica que essa é uma decisão deliberada.

Bom, acho que isso explica de alguma forma o que está acontecendo. E, de alguma forma, dá a dica em como driblar o problema: veja os vídeos publicados em sites de terceiros. É o que temos para hoje.

 

 

Via AppleInsider


Compartilhe