Já dava para desconfiar que isso iria acontecer.

Aqui em Florianópolis (SC), está ficando comum ver os patinetes da Yellow e da Grin lado a lado em diversos lugares da cidade. E os dois serviços ainda são bem recentes no Brasil. As pessoas ainda estão se acostumando a utilizar os dois serviços. Que, em breve, vão se tornar um só.

Foi anunciada nesta quarta-feira a fusão da brasileira Yellow e da mexicana Grin, e assim nasce a Grow Mobility, uma nova empresa que vai operar sem seis países da América do Sul (Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Uruguai). A ideia agora é aumentar a presença nesses mercados, alcançando outros países dentro da América Latina.

Pelo menos nesse primeiro momento, os dois serviços seguem funcionando em separado, mas existe a possibilidade de utilização dos veículos da Yellow no aplicativo da Grin e vice-versa em um futuro próximo, facilitando a vida dos usuários.

A nova empresa deve combinar o melhor dos dois mundos. O Yellow tem um sistema de pagamentos que permite a compra de créditos em pontos de venda em parceiros, permitindo assim o pagamento de corridas em dinheiro. Já o Grin permite o desbloqueio das patinetes a partir do app de serviço de entregas Rappi.

Além de um maior investimento e a integração de serviços a fusão torna a Grow mais forte para enfrentar a Uber, que quer trazer o serviço Jump para o Brasil.

Como eu disse, Yellow e Grin estavam andando muito de mãos dadas aqui em Florianópolis ultimamente, e ambas contavam com boa aceitação dos moradores da cidade. Porém, um efeito colateral que a fusão pode produzir é o aumento dos preços dos dois serviços.

E, convenhamos: tanto o Yellow quanto o Grin são serviços caros para o que oferecem. Ele pode ser até um pouco mais barato que o Uber e agilizar o deslocamento em distâncias relativamente curtas, mas sempre vai depender de uma ciclovia ou ciclofaixa para este deslocamento. Para distâncias mais longas, o jeito é a bicicleta mesmo (meu caso).

 

Via Exame