Compartilhe

No ano passado (2019), a Xiaomi apresentou ao mundo o Xiaomi Redmi Note 8 e o Xiaomi Redmi Note 8 Pro, dois dispositivos de linha média que chegavam para competir pelo título de melhor relação custo-benefício do seu segmento.

O produto foi muito bem recebido nos mercados de todo o planeta, e no Brasil ele é um dos modelos mais procurados pelos usuários que desejam ter um bom smartphone nas mãos, mas não querem sacrificar o seu rico dinheirinho para isso.

Agora, a Xiaomi atualizou as duas propostas, lançando os dispositivos imediatamente correspondentes Xiaomi Redmi Note 9 e Xiaomi Redmi Note 9 Pro. As melhorias são substanciais em relação aos modelos do ano passado, de modo que vale a pena dar uma olhada para identificar essas mudanças que estão presentes nas novas propostas.

 

 

 

Mudanças nos processadores

 

 

A primeira grande novidade presente no Xiaomi Redmi 9 e no Xiaomi Redmi Note 9 Pro está nos processadores, cujas configurações foram invertidas. No ano passado, o modelo normal recebia um chip da Qualcomm e o modelo Pro um da MediaTek.

Em 2020, é o contrário: O Xiaomi Redmi 9 conta com um processador Helio G85, enquanto que o Xiaomi Redmi Note 9 Pro aposta no Snapdragon 720G.

As memórias internas também receberam mudanças curiosas. No ano passado, o Redmi 8 começava com 4 GB de RAM, com 32 GB de armazenamento. A memória máxima para todos os modelos envolvidos nesse post continua a ser de 128 GB, mas no caso do modelo Pro ela começa com 64 GB.

Também identificamos mudanças revelantes na bateria. Os modelos de 2020 contam com bateria de 5.020 mAh nos dois modelos. No ano passado, eram 4.000 mAh e 4.500 mAh, respectivamente. A carga rápida do modelo Pro agora é de 30W no lugar dos 18W no ano passado, e essa é uma mudança bem importante, considerando a quantidade de bateria que o modelo possui.

No design, deixamos o notch para receber o furo na tela, que também recebeu mudanças. Os modelos do ano passado entregavam uma tela de 6.53 polegadas, IPS e FullHD+ no caso do modelo Pro. O Xiaomi Redmi Note 9 “herdou” essa tela (pelo menos na teoria). Já o modelo Pro recebe uma tela de 6.67 polegadas, mantendo a resolução e a tecnologia IPS. Os dois modelos novos apostam no formato 20:9, mais panorâmico que o 19.5:9 da geração anterior.

 

 

 

Câmera quádrupla de volta

 

 

O formato de câmera traseira quádrupla se repete nos modelos de 2020, com configurações quase idênticas.

Os dois modelos apostam em um sensor principal de 64 MP e uma grande angular de 8 MP. A diferença principal entre os modelos é que o sensor macro é de 5 MP no Redmi Note 9 Pro, enquanto que o Redmi Note 9 recebe esse sensor em 2 MP. A mesma configuração que está presente no Note 8 Pro do ano passado, mas com um sensor da Sony maior.

A câmera frontal repete as configurações do ano passado, com 13 MP no modelo normal e 16 MP para o modelo Pro. Nos dois casos, encontramos um sistema de reconhecimento facial com inteligência artificial, conector para fones de ouvido, leitor de digitais (no modelo Pro na lateral, no Note 9 na parte traseira) e Bluetooth 5.0, WiFi dual-band e USB-C.

 

 

 

Conclusão

 

Muitas mudanças relevantes entre as duas gerações, que devem gerar um impacto significativo no desempenho e experiência de uso. Considerem a sério a compra dos novos Xiaomi Redmi Note 9 e Redmi Note 9 Pro se você ainda não comprou o modelo anterior (e se interessou por ele por algum motivo).


Compartilhe