A notícia pegou todo mundo de surpresa, mas ela precisava ser explicada com maiores detalhes. Vamos lá: o Xiaomi Pocophone F1, também conhecido como “o smartphone mais comentado de 2018”, foi homologado pela Anatel. Quem solicitou a sua certificação foi a brasileira DL, uma vez que a Xiaomi não tem representação oficial no Brasil.

Com a homologação da Anatel, o Xiaomi Pocophone F1 recebe (em teoria) autorização para ser lançado no Brasil. E quando digo “em teoria”, é porque existe a possibilidade dele nunca ser lançado de forma oficial. Mesmo porque a própria Xiaomi não deve ter o interesse nisso, pois já lucra bastante com a venda informal do dispositivo.

Eu não preciso lembrar para você que o Xiaomi Pocophone F1 pode ser adquirido sem maiores problemas por diversas formas. Tem muitas lojas importando o dispositivo, e só é possível pagar os valores abaixo de R$ 2.000 por ele dessa forma. Se o produto passasse por todos os trâmites exigidos pela burocracia brasileira, recebendo todos os impostos de importação e comercialização, o valor seria considerado inviável.

Uma possibilidade levantada para a homologação por parte da DL seria a importação do dispositivo “para uso próprio ou de algum diretor ou sócio”. O certificado emitido pela Anatel na última terça-feira (13) mostra que o modelo Pocophone F1 é dual-SIM, fornecido com bateria e carregador compatíveis e devidamente homologados.

 

 

O modelo certificado é compatível com o 4G brasileiro nas bandas 3 e 7, mas não e compatível com a banda 28, de 700 MHz, que foi liberada com o desligamento da TV analógica (e com maior penetração em ambientes fechados).

De qualquer forma, mesmo que a DL não comercialize o produto no Brasil, o usuário brasileiro ainda tem um motivo para comemorar. Se eventualmente alguém importar o smartphone, ele não poderá mais ser barrado pelos órgãos fiscalizadores, pois o produto já está devidamente homologado pela Anatel.

Porém, seria bem interessante ver esse produto comercializado no Brasil, até mesmo para facilitar a vida de quem gostaria de ter o smartphone em mãos, mas não conta com a praticidade de importar o dispositivo.

 

Via Pinguins Móveis