Compartilhe

Eu nem sei por onde começar…

Na verdade, eu sei: sinal dos tempos, preços ridículos, vai encalhar nas prateleiras, a Xiaomi não é mais a mesma, no Brasil tudo é diferente… tenho várias frases para começar esse post. Você pode escolher aquela que você quiser, e muito provavelmente uma vai se encaixar com aquilo que você está sentindo nesse momento.

Pois bem, a DL Eletrônicos, parceira da Xiaomi no Brasil, anunciou oficialmente a chegada das pulseiras fitness Mi Smart Band 5 (isso mesmo, povo brasileiro… esse é o nome oficial do produto, mas eu sei que você vai chamar de Mi Band 5 o tempo todo) e Mi Smart Band 4C ao nosso mercado, com preços sugeridos de R$ 499 e R$ 299, respectivamente.

E você está se perguntando…

 

 

 

O que aconteceu aqui?

 

 

Várias coisas.

Primeiro, e talvez o principal culpado para ver um produto que, em teoria, é bem barato lá fora e aqui custa bem caro, é a flutuação da cotação do dólar, que quebrou as pernas de muita gente. No momento em que esse post é produzido (29 de julho de 2020), a moeda norte-americana vale R$ 5.17. Esse valor pode ser considerado como “moderado”, já que durante a crise global (que aqui ainda não acabou) esse valor ultrapassou a casa nominal dos R$ 6.

Porém, não posso esquecer que, no começo de 2020, o dólar custava R$ 4.02. Uma realidade completamente diferente do que a que vivemos hoje, no chamado novo normal. E como esses produtos são importados, os preços foram inevitavelmente afetados por essa enorme flutuação cambial.

Além disso, é claro que os envolvidos (DL Eletrônicos e Xiaomi) vão querer lucrar em cima dos clientes que desejam ter uma assistência técnica especializada quando o produto apresentar problemas, além de uma garantia no Brasil. Algo até justo, pois não existe almoço grátis nessa vida.

Porém, os números são frios e não mentem jamais.

 

 

 

A diferença é considerável

 

 

Para os usuários mais corajosos e que manjam dos paranauês da importação (e não tem a menor pressa em esperar pela chegada do produto por aqui, que contam com sangue frio em apostar que não serão taxados pelos Correios, etc), a Mi Smart Band 5 sai baratinha. Tem site vendendo a versão global do produto a partir de R$ 130, algo que tem a sua lógica, pois era esse o preço da Mi Smart Band 4 até outro dia.

E mesmo se você não quer se dar ao trabalho de importar o produto, ele já é comercializado por aqui em sites como Mercado Livre e até na Amazon por um valor a partir de R$ 250, o mesmo preço que a Mi Band 4 era encontrada por aqui.

Logo, a diferença de preço a mais cobrado pela Mi Smart Band 5 no seu valor oficial pode fazer com que muitos usuários nem cheguem perto das lojas oficiais da Xiaomi no Brasil.

 

 

 

Ah, sim… antes que eu me esqueça…

 

 

É claro que o fato da Mi Smart Band 4C chegar ao Brasil é mais um elemento que ajuda a justificar o preço da Mi Smart Band 5 seja mais alto do que o desejado e justo. Afinal de contas, se você coloca um produto intermediário entre as duas gerações, você automaticamente valoriza o produto mais completo. E como a Mi Band 4C não é comercializada no Brasil nos mercados alternativos, o efeito inflacionário é ainda mais evidente.

Mesmo porque a Xiaomi pode justificar que a Mi Smart Band 4C é uma “atualização” da Mi Band 4, e está degraus abaixo da Mi Band 5. E, por isso, custa R$ 299.

Viu? Foi isso o que aconteceu.

Está mais calmo agora?


Compartilhe