Press "Enter" to skip to content
Você está em | Home | Análises e Reviews | Xiaomi 13 Lite… vale o quanto pesa?

Xiaomi 13 Lite… vale o quanto pesa?

Compartilhe

Eu sei que o Xiaomi 13 e o Xiaomi 13 Pro monopolizaram boa parte das atenções dos importadores brasileiros. Porém, eu também sei que o Xiaomi 13 Lite na sua versão internacional também chama a atenção, principalmente por causa do seu preço inicial sugerido de 499 euros.

O modelo é bem interessante para um telefone de linha média, entregando um hardware atualizado por um preço competitivo. E ele certamente vai chamar a atenção daquela galera que manda buscar telefones da China ou vão lá no Paraguai buscar um smartphone para chamar de seu.

Vamos então entender melhor se o Xiaomi 13 Lite pode mesmo incomodar os modelos da concorrência aqui no Brasil e em outros mercados globais.

 

Grande e leve

O Xiaomi 13 Lite é um telefone grande com a sua tela AMOLED de 6.55 polegadas com resolução FullHD+, taxa de atualização de 120 Hz, taxa de toque em 240 Hz e nível de brilho de 500 nits no modo padrão (e 1.000 nits em nível máximo). Porém, ele pesa apenas 171 gramas e tem espessura de 7.23 milímetros, o que faz desse um telefone fino e leve para suas dimensões.

Ou seja, o dispositivo tende a ser confortável e ergonômico para um uso mais prolongado. Tudo bem, ele não chega a ser um ASUS Zenfone 9 neste aspecto, mas pode surpreender aos que se preocupam com as dimensões do dispositivo que vai segura.

Sua tela ainda merece destaque por conta da presença de recursos como Dolby Vision e HDR10+, podendo reproduzir até 68 bilhões de cores de forma simultânea. E se isso não garantir uma boa qualidade de imagem ao telefone, é melhor a Xiaomi repensar a vida como um todo.

 

Mais um que confia na potência da Qualcomm

Uma das principais novidades do Xiaomi 13 Lite é a presença do processador Snapdragon Gen 1, um dos mais recentes chips de linha média premium da Qualcomm, e um dos primeiros a receber esse hardware.

O processador vai trabalhar com 8 GB de RAM LPDDR4x e até 256 GB de armazenamento no padrão UFS 2.2 (não expansível). E eu sei que este modelo poderia entregar números melhores neste aspecto, mas precisamos nos lembrar sempre que o Xiaomi 13 Lite é um telefone intermediário que flerta com o premium. Dessa forma, temos que nos contentar com esses números nas memórias.

Ou você pode não se conformar e simplesmente comprar outro telefone de uma marca concorrente, e está tudo certo.

Sua bateria de 4.500 mAh é o que explica a sua baixa espessura. Por outro lado, é o preço que se paga para ter um telefone mais ergonômico, e eu não sei se aceitaria esse tipo de troca neste momento.

A Xiaomi teria que me convencer que o seu software está gerenciando com competência a bateria do dispositivo. E nesse caso, você precisa apostar na MIUI 14 que (atenção, essa parte é muito importante) está baseada no Android 12, e não no Android 13, como deveria ser por uma simples questão de lógica e bom senso.

Entendo que este é um grande ponto negativo para o Xiaomi 13 Lite, pois poucas coisas explicam um smartphone chegar ao mercado com a versão do sistema operacional Android defasada. Eu sei que esse modelo tem tudo para receber o Android 13, mas também sei que os clientes não precisariam necessariamente passar por um eventual estresse que uma atualização problemática pode entregar.

Se você precisar de uma recarga rápida nesse telefone, saiba que contará com um carregador de 67W no kit de venda do produto. O que é uma notícia boa, considerando uma eventual necessidade de uma recarga rápida durante o dia.

Por último (e não menos importante), o Xiaomi 13 Lite conta com um sensor principal de 50 MP com abertura f/1.8 e tamanho de 1/1.56 polegadas, assinado pela Sony (IMX766). Segundo a Xiaomi, essa câmera pode capturar 123% a mais de luz do que a câmera principal do Xiaomi 12 Lite.

Isso é ótimo para quem quer registrar fotos noturnas com o dispositivo. Por outro lado, será que o conjunto de hardware e software dá conta de processar com competência as imagens que serão registradas por essas câmeras?

Além disso, será que as fotos noturnas mais iluminadas também serão registradas com uma menor quantidade de ruído?

Essas perguntas só serão respondidas quando os primeiros usuários compartilharem as fotos registradas por esse smartphone.

O sensor principal de câmera recebe a companhia de uma lente grande angular de 8 megapixels (sensor Sony IMX355) com 119 graus de campo de visão e abertura f/2.2, e de uma lente macro de apenas 2 megapixels.

Já a câmera frontal para as selfies recebe um promissor sensor de 32 megapixels, com 1/2,74 polegadas e 100° de campo de visão. Seu software trabalha com recursos especiais para selfies e filmagens, como por exemplo o enquadramento dinâmico, o que pode ajudar no registro das fotos que você vai compartilhar pelas redes sociais.

 

Xiaomi 13 Lite: vale a pena?

Com preço inicial sugerido de 499 euros, o Xiaomi 13 Lite tem um grande trunfo nas mãos, que é o seu processador Snapdragon 7 Gen 1, que praticamente nenhum grande fabricante de smartphones está adotando nos dispositivos neste primeiro momento.

Ou seja, ser pioneiro com esse chip pode ser um bom marketing para a Xiaomi e para a Qualcomm, que terá um teste de popularidade com esse novo processador.

Porém, tenho dúvidas sobre esses padrões de RAM e armazenamento nos componentes internos do Xiaomi 13 Lite. O telefone é sim competente, mas poderia contar com especificações melhores nestes dois aspectos.

A desculpa em oferecer um telefone de linha média com melhor relação custo-benefício não colou tanto dessa vez, principalmente quando olhamos para o conjunto geral e pensamos que ele custa quase 500 euros.

Dá até para dizer que a Xiaomi deu uma chance para outros fabricantes de smartphones dentro da categoria em explorarem essa área cinza conceitual para entregar telefones mais interessantes na relação custo-benefício.

E isso não quer dizer que o Xiaomi 13 Lite é horrível. Pelo contrário: ele vai fazer muito bem tudo o que um bom telefone de linha média pode executar. Só não dá para garantir de forma convicta que ele entrega a melhor relação custo-benefício neste momento.

Mas vamos esperar mais algumas semanas. Quem sabe o próprio mercado de telefonia móvel entrega respostas mais claras.


Compartilhe