Xbox Series S: o que se ganha ou se perde em relação ao Xbox Series X

Compartilhe

O Xbox Series S (US$ 299) é uma realidade, e será o segundo console de nova geração da Microsoft, chegando depois do Xbox Series X (US$ 499). O hardware do console de baixo custo ainda não tem detalhes revelados, mas após os vazamentos dos últimos dias, ele se tornou oficial por parte da gigante de Redmond.

E muitos leitores se perguntam o que vai perder se escolher o Xbox Series S em relação ao Xbox Series X, e o que ganhamos em comparação ao atual Xbox One X.

Esse post tenta responder a estes questionamentos, baseado nas informações que temos até agora sobre os produtos.

 

 

 

O que se perde em potência e especificações com o Xbox Series S?

 

 

Alguns dados relevantes sobre o que podemos esperar do Xbox Series S já foram revelados.

Seu design conta com um espaço de ventilação circular, em um console que é quase 60% menor que o Xbox Series X. Tudo indica que ele foi concebido para ser instalado deitado (na horizontal), diferente do seu irmão maior, que está orientado para ser instalado em pé (na vertical).

 

 

Não há muitos detalhes de hardware para comparar os dois modelos, de modo que vamos destacar aquilo que já é de conhecimento público. Nesse momento, não dá para saber qual é a potência gráfica oferecida pelo Xbox Series S, mas rumores indicam que, nesse aspecto, ele pode ficar abaixo do Xbox One X. Em compensação, nas demais especificações, o novo console compensa com sobras.

 

 

As diferenças com o Xbox Series X não são tão importantes, com exceção desse aspecto da potência gráfica. Para quem não quer jogar em 4K, os 1440p a 120 fps são mais que suficientes para o Xbox Series S, que vai se beneficiar das vantagens da nova arquitetura de hardware da Microsoft.

A inclusão da porta HDMI 2.1 oferece acesso à tecnologia Variable Refresh Rate, além de entregar o suporte ao Variable Rate Shading, que é o controle fino do uso dos recursos da GPU, tal e como teremos no Xbox Series X. Outros detalhes cruciais como o DirectX Raytracing, o novo sistema de redução de latência e a arquitetura Velocity Engine e de unidades SSD estarão presentes no Xbox Series S.

 

 

Outro diferencial é na capacidade de armazenamento do Series X, que é de 512 GB no lugar de 1 TB. Mas as demais especificações do sistema de armazenamento são idênticas, entregando inclusive a velocidade 40 vezes maior do que o sistema de armazenamento de disco do Xbox One X.

Ou seja, o Xbox Series S vai voar na navegação pela interface, execução de jogos e no uso do Quick Resume para voltar ao jogo no ponto em que deixamos pela última vez de forma (quase) instantânea. O suporte ao Smart Delivery vai permitir que o jogo se adapte aos recursos do console, exibindo o jogo melhor nos consoles da Microsoft também estará disponível nesse produto e no Xbox Series X.

Outra grande diferença é a ausência da unidade de Blu-ray no Xbox Series S, que será um console 100% digital, se alimentando de downloads e do streaming de conteúdo (jogos, vídeo ou música).

 

 

 

De tudo, para todos

 

 

É simples compreender para qual público é destinado cada console da próxima geração da Microsoft.

Para quem quer tudo, ou seja, jogar em 4K e usar a unidade ótica do console, deve escolher o Xbox Series X.

Para quem pode se conformar com a experiência de jogo a 1440p a 120 fps com uma experiência de jogo excepcional e não precisa da unidade de Blu-ray para formatos físicos de jogos e entretenimento, o Xbox Series S é uma excelente alternativa por US$ 299.

E a liberdade de escolha deve ser celebrada por todos.


Compartilhe