Compartilhe

Microsoft e Sony estão preparando o Xbox Scarlett e o PS4, e já temos bem claro em como serão os dois consoles no hardware. As primeiras impressões nos levam a pensar que ambos priorizam de forma clara os gráficos, mas alguns desenvolvedores garantem que a empresa japonesa está entregando um sistema mais potente. Vamos ter que esperar mais um pouco para conferir essa qualidade na prática.

Olhando além dos aspecto técnico, nos perguntamos o que os dois consoles podem fazer diante da geração atual. Há quem diga que essa é uma autêntica revolução. Mas há que fique mais cético diante de tudo o que foi anunciado até agora. O novo hardware pode entregar uma maior fluidez nos gráficos, mas em troca os desenvolvedores de jogos e as desenvolvedoras dos consoles terão que fazer grandes sacrifícios em termos de desempenho.

 

 

Consoles que nascem sem inovação

 

Atsushi Inaba, diretor de Platinum Games, confirmou em entrevista que Xbox Scarlett e PS5 representam um claro salto de geração, mas que, no fundo, é um “mais do mesmo”. nesse sentido, ele enfatiza que os consoles da próxima geração vão se basear em componentes que já existem, e não vão trazer nenhuma inovação real.

Xbox 360 e PS3 foram os últimos consoles que chegaram ao mercado com componentes personalizados, onde o console da Microsoft contava com arquitetura unificada, e o PS3 recebia uma placa gráfica GeForce 7800 GTX personalizada.

Com o PS4 e o Xbox One, isso ficou para trás. Os dois consoles receberam componentes de PC, e isso deve se repetir no PS5 e Xbox Scarlett, o que torna a fala de Inaba compreensível, já que os novos consoles não serão inovadores. Faz tempo que contamos com SSDs de alto desempenho nos PCs, com processadores muito mais potentes que os consoles d ageração atual, e qualquer placa gráfica de linha média humilha as GPUs que estão no PS4 Pro e no Xbox One X.

Inaba acredita que existe uma tendência de ‘unificação’ de hardware, que as empresas cada vez se importam menos em diferenciar os seus sistemas através dos componentes de potência bruta. Isso afetará o desempenho da nova geração de jogos e também ao gaming no PC, que vai seguir dependendo dos consoles que ficará ‘estancado’ e obrigado a seguir o ritmo daquelas.

 

Via VideoGamesChronicle


Compartilhe