Você vai assinar mais de um serviço de streaming?

Compartilhe

Se depender dos serviços de streaming disponíveis no mercado, estamos cada vez mais próximos da falência.

E, antes de começar com o assunto, uma dica: para quem ainda está em dúvidas sobre qual operadora de TV por assinatura escolher (ou se a TV paga ainda é mais vantajosa do que assinar vários planos por streaming), acesse o Zelas Conecta: comparador de planos das maiores operadoras do Brasil em 1 só lugar.

O Disney+ estreia no Brasil no dia 17 de novembro de 2020, e eu sei que você está pensando em assinar o novo serviço de streaming. Eu estou pensando nisso. Você está. Todo mundo está. Afinal, é a Disney. E é bem difícil ignorar a Disney.

Sem falar nas outras plataformas que descobriram o Brasil como um grande mercado em potencial, já que tem muita gente aqui tarada por filmes e séries de TV (somos o quinto maior mercado de cinema no mundo).

Por mais que a chegada do Disney+ seja uma ótima notícia para todos aqueles que gostam de consumir conteúdos por streaming, a realidade é uma só: estamos cada vez mais próximos de encontrar um cenário onde contratar os serviços on demand terá o mesmo valor total que um bom pacote de TV por assinatura.

E essa realidade tende a se materializar ainda mais, especialmente quando observamos nos movimentos feitos pelas plataformas.

 

 

 

A TV já está na internet (só você não percebeu isso)

 

 

Antes, a TV por assinatura considerava a internet uma grande inimiga do seu negócio. Agora, como perceberam que não podem ir contra a marcha da evolução tecnológica, decidiram aderir à oferta de canais e conteúdos por streaming, indo até onde está o espectador.

Recentemente, a Amazon começou a oferecer conteúdos de canais ao vivo em sue Prime Video, e o mesmo movimento foi realizado pela Globoplay, que agora conta com o acesso aos canais Globosat. Sem falar nas operadoras de TV por assinatura, que já liberaram os canais dos pacotes dos clientes para serem consumidos através do computador, tablet ou smartphone.

Esse é um movimento inteligente das operadoras de TV paga em manter os seus clientes no serviço, oferecendo assim a liberdade para que o assinante decida como e onde vai consumir esse conteúdo. Nesse caso, as gigantes do setor (SKY, Vivo, Claro net, Oi, etc) estão fazendo o movimento correto para segurar a clientela.

Porém, já estamos em um momento onde temos múltiplas plataformas de streaming que oferecem conteúdos exclusivos. E, obviamente, tudo isso custa dinheiro para o pobre assinante. Principalmente para aquela pessoa que deseja assistir a tudo o que está disponível em todas as plataformas.

 

 

 

O preço da exclusividade

 

 

A principal moeda de troca dessas plataformas (se é que podemos chamar de troca o fato dos serviços ficarem com o nosso dinheiro) é a exclusividade que cada serviço oferece. E, em alguns casos, tais conteúdos não estarão disponíveis na TV paga.

Por exemplo, todos os conteúdos da Disney vão desaparecer da TV por assinatura brasileira em outubro de 2020. O motivo para isso é bem óbvio (e não é um estalo do Thanos): tudo será exclusivo do Disney+ a partir do seu lançamento em 17 de novembro.

Nem preciso citar os exemplos da Netflix e da Amazon, pois nos dois casos todos nós já conhecemos as regras do jogo. Da mesma forma o Apple TV+, que só tem produções originais e exclusivas da plataforma, assim como o HBO Max também terá as suas produções próprias e originais.

A exclusividade é uma forma de prender o consumidor à plataforma, indicando que aquele conteúdo que ele tanto gosta está apenas naquele serviço. Agora, pense no rombo no cartão de crédito do infeliz que gosta de várias coisas e, por causa disso, tem que assinar vários serviços para não perder nada.

Haja dinheiro para isso.

 

 

 

Você vai assinar mais de uma plataforma de streaming?

 

 

Eu já faço isso.

Tenho assinaturas da Netflix e do Amazon Prime Video. Pretendo ainda assinar o Apple TV+ e o Disney+ em formato de assinatura anual, mas não me decidi se realmente vou encarar essa aventura financeira, pois sei o quanto que isso vai ficar pesado no final do mês.

O cenário se torna mais dramático para qualquer pessoa que gosta de ver múltiplos conteúdos, pois voltar para a TV por assinatura é algo quase impossível. E não digo isso por causa da tecnologia ou da experiência em ver TV a cabo, pois até as principais plataformas tentaram se reinventar ao oferecer canais por streaming na internet.

O grande problema aqui é que, nesse momento, o conteúdo das duas plataformas já não é mais o mesmo. Nem mesmo o pacote mais completo da TV por assinatura oferece os mesmos conteúdos dos principais serviços de streaming, e considerando a assinatura das principais plataformas on demand, você acaba pagando o mesmo que pagaria em um bom pacote de TV paga, mas recebendo conteúdos completamente diferentes.

No final das contas, para quem quer assistir a tudo mesmo, sem restrições, vai ter que pagar uma nota preta sim ou sim. Por isso, se você está com essa bala na agulha toda, e a sua conta bancária permite se aventurar para contratar múltiplos serviços de streaming para chamar de seu…

…por favor, me procure! Eu preciso ter amigos como você!


Compartilhe