Compartilhe

As principais operadoras de telecomunicações se uniram em uma ação inédita para tentar manter os usuários em quarentena conectados e com entretenimento. Além de oferecer mais benefícios como maior velocidade de internet e pacotes de TV adicionais, todas as grandes operadoras estão tomando medidas internas e externas para manter profissionais e clientes em segurança.

Porém, outra ponta do processo precisa ser analisada. Uma hora, as pessoas terão que pagar as suas contas de telefonia móvel e internet, e diante de uma crise financeira resultante da crise epidemiológica, nem todos terão condições de cumprir com os seus compromissos financeiros.

De pouco adianta oferecer uma banda larga ou móvel mais rápida e todos os canais possíveis da TV por assinatura se as operadoras não olharem para aquelas pessoas que não terão condições de realizar os pagamentos dos serviços em dia, ou porque não podem sair de casa para ir até o banco ou lotérica (é o caso de muitos idosos, que são o grande grupo de risco e, ainda assim, podem colocar as suas contas em débito automático), ou porque não contam com o dinheiro para pagar a fatura, porque precisam atender necessidades mais urgentes.

É a segunda situação que as operadoras de telecomunicações precisam enxergar com cuidado, flexibilizando as condições de pagamento das faturas para os clientes ou evitando o corte dos serviços de inadimplentes. E Claro, TIM, Vivo e Oi já se posicionaram sobre isso, optando pela flexibilização, em diferentes condições de pagamento.

Mesmo assim, uma decisão da 15ª Vara Cível de Porto Alegre (RS) proíbe as grandes operadoras de telecomunicações de suspenderem os serviços por falta de pagamento. A decisão vale durante o período de calamidade pública, e se a ordem for descumprida, está prevista uma multa diária de R$ 10 mil por cliente.

Quem já teve o seu serviço desativado em função de uma inadimplência terá o seu pacote restabelecido pelas operadoras. E apesar da decisão ser da Justiça do Rio Grande do Sul (e não é válida para o território nacional), as operadoras já estão flexibilizando os pagamentos dos inadimplentes, e reativando os serviços daqueles que estão em atraso com o pagamento.

 

 

 

Quem puder, pague a conta… e fique em casa

 

Bem sabemos que estamos falando de empresas multinacionais e com enorme capital. Logo, nenhuma das grandes operadoras vão quebrar por causa da pandemia do coronavírus. Porém, é de bom tom que aqueles que tiverem condições de pagar a conta nas datas previstas façam o pagamento sem atrasos.

Isso pode ajudar a evitar demissões em massa e melhores condições para funcionários terceirizados e outros trabalhadores que, de alguma forma, ainda estão colaborando para que o serviço chegue até a sua casa com qualidade.

E, principalmente… fique em casa! Fique em segurança!

 

 

Via Minha Operadora 1 e 2


Compartilhe